quinta-feira, 21 de abril de 2011

Ascenção e queda de um porco cobridor

Aqui há uns dias, deixei por aí num blogue qualquer, um comentário em que confessava a minha inveja pelo modo de vida dos porcos cobridores, nomeadamente os transmontanos.
Lá haverá vida melhor que estar um gajo no seu canto, a ser bem alimentado, sem ter que se preocupar com nada, e de vez em quando abrir-se a porta entrando por lá dentro fêmea "surprise" com nenhuma outra intenção para além de ser desfrutada da maneira que der na veneta, e mais esteja a apetecer, ao "cavalheiro".
Pois é, dirão alguns que lá deve haver porcas e porcas, e que se as haverá apeteciveis, também as haverá repugnantes, mas penso que não, porca é porca, e porco cobridor que se preze não deixará nenhuma incólume, principalmente tratando-se de porca transmontana, que é porca de encanto especial entre as demais, a avaliar pela fama dos seus presuntos.

Gónadas seria o nome do porco, e vida encantada levava, até que o aborrecimento lhe começou a corroer o pensamento, e quanto mais pensava mais aborrecido ficava, que se isto de pensar demais é aborrecido, então pensar como um porco ainda mais deve ser. De aborrecimento em aborrecimento foi perdendo o seu temperamento e deixando as porcas em desalento.
Já não saíam do seu "gabinete" sorridentes e com aquele andar desengonçado, mas antes com um ar desengraçado, de quem ficou mal servido.
E a fama do Gónadas foi-se perdendo até que só ficou escrito na memória daquelas porcas, Gónadas is gone.

Afinal acho que não queria nada ser um porco cobridor transmontano, ou seja lá de que recanto deste mundo fosse, e apesar de agora não me estar a ocorrer nada que gostasse de ser para além de mim, acho que dei mais um passo no sentido do meu conhecimento interior.
Ah Nirvana, que nunca estiveste tão perto, quase te sinto o cheiro, trazido pelo vento distante.

20 comentários:

  1. Ora então muito boa noite, caríssimo Junkie.

    e apesar de agora não me estar a ocorrer nada que gostasse de ser para além de mim

    Gostei disto. Do resto também mas pra já ficamos assim.

    ResponderEliminar
  2. Porco cobridor?!Ele há alguns (dizem) e raramente se queixam. Conheci um [acho que era, mas certeza não me foi dada], pelo que percebi cobria, mas cobria tão mal que foi descoberto, o porco!Acho que, de momento, ele só lhe apetece ser ele (ou melhor, suspeito que só lhe apetece o que afinal sempre foi, um invisível, imerso em nada, encolhido/escondido na chafurdice da sua possilga). Ah, vida de porco!

    ResponderEliminar
  3. Já agora, Junkie Jones, tem o relógio desregulado são 11:00 não 03:00, isto confunde a gente. Só mais um reparo, aquela coisa do "copia as letras" só para ver se és "purinho", parece-me um tanto discriminatório. Em vez disso recomendaria rampas de acesso.

    ResponderEliminar
  4. Vou ter saudades do tipo que desejava reencarnar um porco cobridor de uma aldeia transmontana.

    Gónadas - Órgãos onde os organismos multicelulares produzem as células sexuais necessárias para a sua reprodução.

    Bem ao menos já aprendi alguma coisa hoje.. Já não me posso queixar.

    ResponderEliminar
  5. Está perfeitamente regulada a hora do registo com a hora real, e se aparentemente estamos no mesmo fuso horário, isso só pode querer dizer que estamos em diferentes espaços temporais.

    Foda-se, o meu blogue é uma máquina do tempo !

    Uma diferença de 8 horas, quer dizer que se escreveres aqui os numeros do euromilhões logo que sejam sorteados, eu ainda vou a tempo de os registar, depois é só dividir-mos.

    Como prova de boa fé de minha parte, já retirei aquela coisa do "copia as letras"

    ResponderEliminar
  6. Junkie, sempre um cavalheiro! (Qual porco cobridor?!). E não precisava dar prova da sua boa fé, sei que tem.

    ResponderEliminar
  7. Os porcos têm orgasmos de trinta minutos.

    ResponderEliminar
  8. Essa coisa dos orgasmos dos porcos é caracteristica da espécie, ou diz respeito só ao género masculino?
    E se as porcas tinham também aquela técnica de fingimento de orgasmo?
    Era obra teatral só mesmo ao alcance do género feminino, 30 minutos de fingimento.

    ResponderEliminar
  9. Caros anónimos, estou-me perfeitamente a borrifar para quem sejam, e quanto mais bizarros os vossos comentários melhor, mas um nick, heterónimo, homónimo, ou o raio que o parta a assinar o comentário, fica sempre bem, quanto mais não seja estéticamente.

    ResponderEliminar
  10. Bem, fracamente, também me estou a borrifar para as exigências do autor, mas como hoje é Sexta Santa e eu não abstivel seja como deseja, Junkie.
    Em nome de todos os anónimos (eu):

    AuraMaria

    Nota: Advérbios de modo (terminados em mente) não se acentuam, Junkie.)) Ficam esteticamente mal.

    ResponderEliminar
  11. Leia-se abstive*, seguido de uma vírgula. (Credo, que mesquinha!!)
    Aura

    ResponderEliminar
  12. Afinal não era outra senão a Aurocas que vem do outro para este, armada em corrector ortográfico.

    Então toma lá nota, "pocilga" escreve-se com "c" e não com "ss", como o fizeste ali no teu 1º anonimato.

    Já aqui no penultimo anonimato, fiquei sem saber se ao escreveres "fracamente" querias dizer que te dá um certo gozo seres má, ou se te fugiram os dedos para a verdade.

    Ah, que mosquinha morta me saíste, credo!!

    ResponderEliminar
  13. Caro Junkie, como deve saber nada acontece por acaso, tão-pouco o "fracamente", como a "possilga". Contudo, não estranhe que desconheça tal aposento, como sabe, caso não saiba fica a saber, não tenho qualquer afinidade lá com essa bicharada, sejam cobridores ou dadores de órgões. Enfim, não sou mulher de meter o dente em qualquer "febra"...extensível a habitantes de pocilgas ou palácios.
    Ah! E não tema, nem se acanhe em mandar "chumbo do grosso", já que o ilustre sabe que eu sei da sua fraca pontaria.

    Au revoir (assim à parola chique)

    AuraMaria

    ResponderEliminar
  14. Chumbo do grosso é para caça grossa, e não é assim que se caça uma hortulana.

    Au revoir, ou vieste passar as férias da páscoa ao meu blogue?

    Fôda-se "o meu blogue", ao que um gajo chega... tu instala-te e pôe-te confortável, se quiseres até te arranjo uma chave dos aposentos.

    ResponderEliminar
  15. Não sei especificar o género.

    Apenas atirei uma pérola!

    (lol)

    ResponderEliminar
  16. Mas Elizinha, atiraste uma pérola ? Uma pérola ?

    Mas não sabes que um pérola é pressuposto ser algo valioso, e aquele foi o comentário mais básico que para aqui foi atirado ?

    Sim, melhoraste bastante neste teu 2º "lançamento", mas vai lá comer mais umas bolotas que talvez consigas melhorar ainda mais.

    ResponderEliminar
  17. Ahhhh este gajo ...

















    (não há mais, era só isto)

    ResponderEliminar
  18. Mas então Isa ?

    Não me estás a dizer que me vais decepcionar e ficar quietinha sem apedrejamento ?

    Não estás a ver que isto é acerca disso?

    Se o apedrejamento não te agradar e preferires a crucificação, podes ir buscar pregos à drogaria "AuraMaria", aquela que tem um letreiro a dizer "com pregos AuraMaria o gajo não fugia".

    Ou então podes devolver-me a boa Boa Páscoa que te desejo, a ti e a toda a gente, que isto não é mais do que lúdico, haja sentido de humor que resista.

    Aleluia !

    ResponderEliminar
  19. Eu cá só apedrejo com conhecimento de causa, ó Junkie, e mesmo assim é preciso que me fodam muito o juízo ...
    (pode-se dizer "fodam", num é? é que já disse)

    Até porque em atirando, dizem os aleijadinhos sobreviventes que é coisa pra deixar marcas com alguma durabilidade. Inda noutro dia li um a queixar-se de mim (de mim, vê lá tu, que sou este doce de pessoa) a dizer que lhe ofendi a família e tudo! Opá, eu ele há com cada um ...
    Né?:p


    Quero-te lá eu crucificado,parigo, é alive & kicking. Sobretudo kicking.


    ahhhh ... como eu gosto destas festividades religiosas,fico assim, toda eu sou amor ...

    Hosana nas alturas.
    (dasssse...)

    ResponderEliminar
  20. Sim Isa, pode-se dizer o que quer que seja.

    ResponderEliminar