sexta-feira, 20 de maio de 2011

Optimismo ou Otimismo? Puta que pariu o acordo ortográfico !

Por vezes o inesperado acontece, mas aquele inesperado mesmo inesperado.

Não é coisa que aconteça muito amiúde, e tem algo de aliciante como conceito, mas também tem o seu quê de assustador.

O inesperado vai acontecer, de certeza, e não é necessáriamente uma multa por excesso de velocidade, ou a noticia da morte de alguém próximo, que é para já não falar do anúncio antecipado da própria morte.

Que venha o inesperado, mas que veja bem como se apresenta, que eu não estou para más ondas, já me basta o inesperado de acordar e ter que levantar, coisa passageira mas que quando inesperada é fodida.

13 comentários:

  1. Mas se tu desejas o inesperado, quer dizer que estás à espera dele, logo deixa de ser inesperado para ser esperado. Mas numa coisa concordamos: badamerda para o Acordo Ortográfico.

    ResponderEliminar
  2. Ora nem mais, faço minhas vossas palavras quanto ao acordo ortográfico, a este e aos que se lhe seguirão.

    Inesperado acordar Junckie Jones?


    andamos a fazer experiências é?

    ResponderEliminar
  3. Se soubesse que você tinha um blog já cá tinha vindo há mais tempo retribuir os gentis comentários que deixou lá no meu. Faço-o agora, e logo com comentário duplo: Salvaguardando as enormes distâncias, aqui fica um estilo Junkie Jones e outro estilo Queirosiano.

    Estilo Junkie:

    Foda-se! O dono deste blog ou é um maricas incapaz de lutar (na vida real) ou um lirico virtual, cujos textos são inspirados e baseados nas obras dos grandes mestres, o que não sendo crime, lhes retira um bocado do mérito artistico.

    Estilo Queirosiano:

    Como este espaço é bonito, arejado e com um azul a lembrar o céu, deve optar por optimismo com 'p' de pássaro, até porque o conto anterior (muito bonito) fala em aves de arribação e respectivas penas. E penas é coisa imposta por procuradores e procuradoras, aqueles profissionais da (in)justiça que por vezes parecem sentir um sórdido prazer em aplicar penas pesadas e desleais. Os Maias eram o exemplo tipico do que disse: Cortavam cabeças, riam e sentiam-se fortes.

    Salvador, um abutre a pairar sobre a Cidade e as Serras, dirão uns, uma Ave de Rapina a pairar sobre a planicies e vales, direi eu. Em ambos os casos com as penas todas e sem pena.

    (Não precisa de mandar: Volto imediatamente à minha capoeira, onde as aves são outras, bem mais leais)

    ResponderEliminar
  4. Ó Salvador! Já que estás aqui, só um pequenino àparte (pás, sério, ainda há quem digam que eu me exponho muito lá no meu pardieiro e isso, mas ok, vocês é que sabem)


    Salvador:é impressão minha, ou não se pode comentar os teus escritos...?? é porque se não é impressão minha, opá, deixa-me que te diga que acho isso duma injustiça atroz. ATEROZ!


    pronto,´desabafei.

    ResponderEliminar
  5. "há quem digam


    hã?


    brilhante, eu!

    ResponderEliminar
  6. Ó Rafeiro, tu não venhas para aqui deixar ficar mal a fama de esperteza dos rafeiros sobre os demais.
    Não é só com um apressado jogo de palavras que antónimos, como o esperado e o inesperado, se tornam sinónimos, mas fico satisfeito por ver que percebeste que a ideia é a discórdia, porque os améns são na missa.

    ResponderEliminar
  7. Ó Isabel, foda-se, 3 comentários ?
    Sendo que num deles te diriges a outro comentador?
    Foda-se, começo já a filtrar os comentários, que é para não ser desde já a proibição absoluta de toda e qualquer possibilidade de comentar.
    Não sei se me tás a ver a coisa...

    Numa coisa estás certa, és brilhante, quer dizer, brilhante talvez seja um exagero, mas lá que luzes, luzes (do verbo luzir)

    ResponderEliminar
  8. Mas o melhor mesmo é ver aqui o Salvador, o grande mariconço que censurou um comentário meu, e aparece-me aqui a comentar em vários estilos, é assim mesmo pá.

    Desde já quero dizer-te que essa forma de tratamento na 3ª pessoa é de um pedantismo atroz, nada condizente com a ideia que transmites de ti no teu discurso.

    Olha, quanto às comparações com aves, acho que não se adaptam bem a ti, eu vejo-te muito mais como um são bernardo, com o barrilzito ali mesmo à mão de semear, e com uma coragem e bondade notáveis.

    E podes voltar sempre que quiseres, e sobretudo comentar, que eu aprecio os teus trocadilhos, se bem que por vezes excessivos.

    Olha, até tenho ali um mail onde podes dirigir-te a mim de forma mais privada, já que pareces ter ganho aversão à conversação entre comentadores.

    ResponderEliminar
  9. Olha!, aqui também se fala de aves, que engraçado.

    ResponderEliminar
  10. E nem de propósito, eis que chega uma das aves mais raras da criação, a galinha com dentes.

    Pipita, querida, tu sente-te à vontade para esganiçar, que isto aqui vale tudo menos tirar olhos.

    Mas se optares por um cacarejar mais simpático, não deixarás de tornar o sitio mais sereno, o que também é aprazível.

    Tás à vontade, mas os ovos que aqui puseres são meus, ficas já a saber.

    ResponderEliminar
  11. JJ, não queres repensar o "Pipita"?
    Tu vê lá isso.

    ResponderEliminar
  12. com tanta variedade de pipas, vais logo escolher a que menos se lhe aplica. Ehhp.


    Oi?? eu luzo, do verbo luzir?? assim tipo pirilampo? ai ca lindo ...

    E pá, NÃO! NÃO TE ESTOU A VER A COISA! mas que mania, heim?

    ResponderEliminar
  13. Já pensar me dá uma trabalheira do caraças, quanto mais repensar.
    "JJ", foda-se, não me tinha lembrado disso, há coisas do caralho.

    Um pirilampo Isabel? Que pirilampo pá, um farol, tu luzes como um farol.

    E o faroleiro tá c'os copos.

    ResponderEliminar