terça-feira, 9 de agosto de 2011

Afinal sempre há esperança



Vê-se numa pequena nuvem branca de tão ténue consistência, quase invisível , pouco acima da linha do horizonte, que não se mexe apesar da ventania, vê-se num enorme chupa-chupa de cores berrantes espetado na areia, vê-se nos pequenos bocados de chantilly que correm à frente das ondas, ouve-se na risada das crianças, e sente-se na sua alegria tão genuína, sente-se que há coisas tão belas, que poder apreciá-las é um privilégio, diria mesmo um milagre.


57 comentários:

  1. Mais do que ter esperança, são pequenas coisas que nos fazem felizes: acordar com um raio de sol atrevido que nos entra pela quarto, andar descalça pela casa, comer gelado como se o mundo fosse acabar, não ter de cumprir horários, fazer refeições completamente inimagináveis às horas mais absurdas, continuar a rir até às lágrimas com os episódios do seinfeld, cumprimentar toda a gente com um sorriso...

    ResponderEliminar
  2. Eu que tenho no meu quarto janela virada a nascente, não fico nada feliz com raios de sol atrevidos, muito menos quando me esqueço de fechar as portadas.

    ResponderEliminar
  3. Que pessoa tão insensível!
    Não sei para que ponto cardeal está virada a janela do meu quarto. Nunca fui escuteira! Deve estar virada para esse lado.

    ResponderEliminar
  4. E para que conste, não sei bem onde, gosto da minha casa cheia de sol. Tenho pena de não ter mais.

    ResponderEliminar
  5. Pelo contrário, bastante sensivel, à claridade matinal, talvez por ter sido escuteiro, quem sabe.

    ResponderEliminar
  6. Ah!
    Só para que se saiba, a pequena nuvem branca era a lua.

    ResponderEliminar
  7. Ao entardecer a lua é uma coisinha branca.É gira.

    Está ainda a ganhar balanço para a noite.

    ResponderEliminar
  8. Sempre.

    Ocorreu-me uma dúvida depois de ter lido uns comentários sobre o assunto. Acham que o amor se constrói e se sim baseado em que "fundações"?

    Maria

    ResponderEliminar
  9. Bem, partindo do principio que o amor existe, só há duas formas de assim acontecer, ou aparece espontaneamente, assim como um coelho a sair de uma cartola, ou então constroi-se, mas tanto num como noutro caso as "fundações" são as mesmas, neste caso, os sentimentos.

    ResponderEliminar
  10. A lua branca a nascer ao entardecer, em oposição ao sol que se ia, foi um belo fim de tarde, sim.

    ResponderEliminar
  11. Sou um pouco céptica quando se trata de coisas a saírem repentinamente de cartolas. Normalmente é aldrabice.
    E quais são as fundações dos sentimentos? Nascem do quê, em que circunstâncias, de que forma, precisam de alimento ou subsistem por si só?
    Maria

    ResponderEliminar
  12. Surge depois da paixão ou em simultâneo? Ou pode surgir sem paixão? E constrói-se com sonhos ou realidade? Pode-se querer muito alguma coisa e servir de meio/projecção para a atingir?

    ResponderEliminar
  13. Os sentimentos nascem do pensamento e das emoções, acho eu, nas circunstâncias mais banais ou especiais, na forma de sentimento, que é como o próprio nome indica, um sentir.
    Quanto a se necessitam de alimento, ou se subsistem por si sós, não sei.

    ResponderEliminar
  14. E mais não declaro a respeito dos sentimentos, que são coisas bastante pessoais.

    ResponderEliminar
  15. Junkie, adoro os fins de tarde na praia, pela beleza que descreveste e porque é quando há menos gente.

    ResponderEliminar
  16. E como é que se sabe o que se lhes pode chamar?
    Esse(s) sentimento(s) precisam de estímulos visuais?

    Maria

    ResponderEliminar
  17. Não e sim, sobre os estímulos visuais. Sabe o que se lhes pode chamar, quando simplesmente, se sente. Sente-se, quando se descobrem afinidades, é paixão quando as mesmas se ficam pelas 1ªs impressões. Passam a outra coisa quando, a haver continuidade (intimidade) se passa a aceitar as diferenças. Os defeitos. Quando num todo, a pessoa nos faz falta.Os estímulos visuais são tão necessários como o ar. Ou os escritos. A falta deles não anula o que se sente, o que se sente, transforma-se é um pouco em dôr. Chama-se saudade. Agarramo-nos ao que ficou e queremos, todos os dias, reviver aquilo.
    Depois há que questionar o porquê da ausência. Se é um só porque sim, se explicações não nos são dadas e a pessoa aparece esporadicamente só pra nos lembrar que existe e verificar se ainda tem o outro como "seu", como uma "presa", então é um amor a solo. A outra parte, é só um(a) fdp, que decidiu divertir-se às nossas custas. Logo, há que mostrar-lhe isso mesmo, que a diversão acabou e que um mínimo de respeito, é bem vindo.O respeito, que o resto é despiciendo.
    Tendo essa noção, claro que não se pára de amar com 3 cantigas. ou 4. ou 5. A coisa demora. Um dia há-de acontecer, mas demora. O que fica no entretanto, é só a necessidade de nos valorizarmos aos olhos de quem não nos valorizou.
    É que um amor pode não ser correspondido, mas não tem que ser desrespeitado.

    Junkie, bonito post.

    Margarida, grande definição de pequenos, grandes, momentos de felicidade. Também sou disso eu. Acordo todos os dias de madrugada e lá está o chilrrear dos passarinhos. claro que me cagam a varanda toda, mas há lá coisa mais renovadora que o silêncio dos humanos, de madrugada.

    ResponderEliminar
  18. Que linda dissertação Isa Maria, pareceu-me um tanto deslocada do conteudo, mas foi um momento profundo.

    ResponderEliminar
  19. Achas que está deslocado do conteúdo?
    Não me parece. Vem na sequência dos comentários sobre o amor e a sua construção.
    Ai o amor!

    ResponderEliminar
  20. Talvez não esteja, talvez esteja no blog errado, ou no tempo errado, mas está no tom certo, repito que foi um belo momento, profundo, e isso é que importa.

    A grande Isa, que quando fala, diz.
    Diz de sua justiça, e eu gosto da sua justiça, apesar de discordar no concreto, concordo no abstracto.

    ResponderEliminar
  21. Agora que acordei? e voltando ao tema inicial, lembrei-me de uma coisa que me enviaram já há uns meses largos.
    Fazia sentido naquela ocasião e agora também.
    Faz sempre.

    http://www.youtube.com/watch?v=PTzhxyRoe9E

    ResponderEliminar
  22. Ontem não se conseguia comentar por aqui...
    Isa, não percebi muito dessa conversa da ausência.
    Margarida, demora a interiorizar, talvez apenas com a adversidade e a idade (suspiro), mas o melhor da vida são mesmo as coisas mais simples.
    Junkie, darling, vê se perdes essa mania de não responderes às minhas perguntas (a todas).

    ResponderEliminar
  23. Maria, primeiro vai chamar darling ao cão da vizinha, e depois se achas que eu estou aqui para responder às tuas perguntas, estás ligeiramente enganada, eu faço questão de responder a dois tipos de questões, aquelas para as quais tenho resposta, e aquelas que merecem resposta, sendo que as outras perguntas ficam aqui ao dependuro.

    ResponderEliminar
  24. JJ cala-te, caralho!! Foda-se, que já enjoas. Tu e as tuas heterónimas Margarida, Maria e Anónima. Não tens amor próprio??? A gaja encornou-te e não paras de clamar por ela??







    Pá, faz um favor à humanidade e cura a dor de corno no remanso do silêncio.

    ResponderEliminar
  25. Anónimo ou Anónima, antes de mais e para encurtar razões, eu, Margarida, não sou heterónimo de ninguém. Sou eu própria e todos os comentários que aqui apareceram sob este nome são da minha, Margarida, mulher, inteira responsabilidade.
    Se não gostou, azar o seu. Não sei quem é nem me interessa, mas informo desde já que não comento para agradar a ninguém muito menos a anónimos(as) fanfarrões que se apresentam à sombra do anonimato e com comportamentos esquizóides.
    Provavelmente não percebeu metade do que acabei de escrever, assim traduzo para uma linguagem simplificada,seguramente mais ao alcance do seu QI de dois dígitos: vá dar banho ao cão e não se esqueça de tomar os medicamentos todos os dias.

    ResponderEliminar
  26. No remanso do silêncio.... onde é que eu já li esta expressão?

    Anónimo(a) este local é silencioso, e já há muito, anos, que usei toda a dor de corno a que tinha direito nesta vida.

    Arranja um nick pá, não me incomodam nada insultos dirigidos a mim, e quanto mais corajosos melhor, arranja um nick pá.

    ResponderEliminar
  27. Pode ser antes ao cão do vizinho? Que mau feitio! Nem sequer estava a ser sarcástica. Quando o meu joelho o permitir levo-te comigo para o yoga, mas antes fazemos combat porque sinto aí muita tensão acumulada... até lá respira fundo, que é o que eu faço.
    Maria

    ResponderEliminar
  28. Quem é que encornou quem? Onde e quando?
    Maria

    ResponderEliminar
  29. E hoje não me chateio contigo só porque já estou com saudades.
    Maria

    ResponderEliminar
  30. Podes dizer todos os disparates que te apetecer que eu deixo.

    ResponderEliminar
  31. mas só hoje! não te estiques.

    ResponderEliminar
  32. Por falar em dizer disparates, e se fosses pó caralho?
    Pá, é que se não trazes nada à conversa, a que vens?
    Fazes-me lembrar um cão que costuma ir dar a sua voltinha, e mandar as mijinhas nos sitios do costume.

    ResponderEliminar
  33. Correu-te mal o dia?
    Não abuses da sorte.

    Que simpático, não era para poupar trabalho a ninguém, pois não?

    ResponderEliminar
  34. Não abuso do quê?
    Alice, cara comentadora, sê bem vinda.

    Trazes alguma coisa para dizer que se aproveite, ou só vieste dar a mijinha do costume?

    ResponderEliminar
  35. Da minha paciência.
    Espero que estejas contente agora. Tu nunca desistes?
    Eu disse uma coisa importante, tu é que não reparaste. Mais tarde vais dizer que não avisei. Eu aviso sempre.

    ResponderEliminar
  36. A miúda tem razão (outra coisa que se aproveite).

    ResponderEliminar
  37. A provocação do costume está fraquinha.

    ResponderEliminar
  38. Vais. Mas não será por muito tempo.

    ResponderEliminar
  39. Então?! Nada? Mais uma provocaçãozinha, um disparate, um pensamento profundo, uma coisa boa?

    ResponderEliminar
  40. Foda-se que canseira, pessoa. É que nem pra rir a merda que dizes dá jeito, caralho. Isto é só ocupar espaço, mai nada.

    ResponderEliminar
  41. Olha voltei. Vislumbraste o tamanho da minha estupidez, não vislumbraste? Então ri-te lá.
    Já não tenho idade para estar a fazer 10 coisas ao mesmo tempo.
    Maria

    ResponderEliminar
  42. E a próxima é a mala, logo não posso passar aqui a noite.
    Maria

    ResponderEliminar
  43. Isa, tu queres um gajo que só parece querer que lhe dês um filho?
    Maria

    ResponderEliminar
  44. Junkie, o que querias que eu viesse para aqui dizer, hum?
    Maria

    ResponderEliminar
  45. Assim de repente só queria mesmo que te fodesses, mas se depois m'ocorrer mais qqer coisa, eu ponho-te ao corrente.

    ResponderEliminar
  46. Remanso do silêncio.

    É lindo, não é? Eu acho. É que há silêncios e silêncios e esta saiu-ME tão bem.

    Para a próxima que decidirem, gente parva como a merda que faz com que vir aqui se torne doloroso, usar alguma coisa que eu tenha dito algures, façam favor de citar fonte por forma a que não fiquem a pairar no ar, sugestões como a que quiseram fazer.
    Não comento anónimamente, suas conas.

    ResponderEliminar
  47. Olha mas que bem, foi de ti que li tal coisa Filipa? Eu bem me parecia que conhecia aquilo de qualquer lado, e não era de qualquer lado.

    ResponderEliminar
  48. Isa, não digas mal das minhas comentadoras, eu disse minhas?
    Mas que é aquilo? Tu que és boa em psicologias e o caralho, que me dizes de tal ave rara, esta Alice que cá deu à costa?

    ResponderEliminar
  49. Alice, anónima, Maria, ou lá o que és, de onde surgiste pá, apareceste aqui espontaneamente como um fungo?
    Ou de onde vieste tu?
    Viste-me a mijar algures?

    ResponderEliminar
  50. Junkie,esta Anónima/Maria e agora Alice é um enjoo de todo o tamanho!

    Vem aqui dizer umas merdas sem nexo, ao estilo “ deixa cá dizer umas coisas estranhas para parecer que sou uma pessoa muito culta e inteligente e que digo coisas muito profundas e já agora que tenho uma empatia extraordinária e especial com o dono aqui da coisa por isso só eu e ele entendemos”.

    De facto é o que se passa é que esta tipa só diz disparates, tenta fazer insinuações e agora arranjou um esquema, no intuito de lançar maior confusão e suspeição, de utilizar expressões que vai roubar a outros blogs. Que tristeza, que saloiada do caraças!

    Se me permites, Junkie, dois conselhos.

    Para a Alice/Maria /Anónima ó o caralho: arranje um desgraçado que a monte e não chateie, ou seja, tenha um pouco de argúcia e também de self-respect e tente perceber que ninguém já lhe dá importância ou sequer valoriza o seu estilo.

    Para o Junkie: enquanto não deixares a criatura a falar só e apenas com a respectiva cona, isto não se resolve.

    ResponderEliminar
  51. Chamaste? Vi o teu comentário no blog da ISA e decidi visitar o teu cantinho também. Fiquei admirada por veres chupa chupas na areia...LOL

    ResponderEliminar
  52. Ficaste admirada por eu ver chupa chupas gigantes espetados na areia?

    É que tu nem imaginas então as coisas estranhas que eu vejo.

    E não te chamei, só achei que estava a ter mais uma daquelas alucinações.

    ResponderEliminar
  53. Ia jurar que ouvi a tua voz... Andas a ter alucinações por causa do excesso de sol na moleirinha :P

    ResponderEliminar