segunda-feira, 8 de agosto de 2011

E agora?

Estou altamente frustrado.

Tentei arranjar uma quezilia entre gajas, e fui mal sucedido, nem lá perto cheguei, o mais perto que consegui chegar foi ter sido chamado de "arte do demo".

Nem era bem uma quezilia, era mais uma tertulia, e estava a pensar vender bilhetes para o espectaculo, até já tinha reservas, e agora nada. Que é que faço às bancadas alugadas?

Desfilo?

42 comentários:

  1. Querias mesmo? Tipo luta na lama? ou puxões de cabelo e agarrem-me que vou-me a ela?

    Querias era converseta! Troca de galhardetes, insinuações, paleio nas entrelinhas, olimpíadas do brilhantismo verbal!
    E tu,comias pipocas ou fazias apostas?

    ResponderEliminar
  2. Também podias encenar uma tragédia grega. Assim chego-me já à frente,primeiras: eu faço de Antígona.

    ResponderEliminar
  3. Quanto às bancadas não sei, mas eu quero o meu dinheiro de volta!

    ResponderEliminar
  4. Pois era Maggie, olimpiadas do brilhantismo verbal, onde o prémio seriam as risadas de cada um, e eu seria um dos participantes mais activos.

    Só que as tragédias vieram por arrasto, e se eu me consigo rir com a minha própria desgraça, nem todos conseguem.

    Isso, levem isto a sério, muito a sério.

    ResponderEliminar
  5. Quem? elas (nós) ou tu? é que caray, já todá gente passou á frente e ainda aqui está vossa excelência (tu) no mesmo registo.
    Gajo, desfila fazendo o favor.
    Tu, pelos deuses desfila.

    dasse.

    ResponderEliminar
  6. Ó Isabel Maria, tu queres que eu desfile ainda mais do que tenho desfilado?
    Só se estiver a faltar o estandarte erguido.

    Agora tu que parecias um bolo de noiva daqueles com vários andares, afinal não és mais que um pastelinho de belém, ou para ser mais exacto, um travesseiro, aí dos teus lados.

    Olha, e eu que cheguei a pensar que este se poderia tornar num sitio divertido com gente gira sem papas na lingua, mas não, bastou aparecer alguém a dizer que isto é uma merda, e que eu sou um monte de esterco, para os comentadores porem travão nos comentários, como quem diz, sim de facto isto é uma merda, sim, sim, de facto o rei vai nú. Vai nú o caralho, ou melhor, vou nú sim, e quem dera a quem desdenhou.

    E tu, que me parecias do mais arejado que poderia encontrar.

    ResponderEliminar
  7. E se cagasses pó assunto, sentirias-te aliviado, não?

    Por falar em nú.
    Sim é aqui que eu entro. Ontem tive um deslumbre! Vá não foi assim tão, tão, mas ainda não eram oito da manha, e pimbas dou com um Junkie Jones.

    Sim e não venhas cá estragar a coisa e negares que eras tu.

    ResponderEliminar
  8. Tu repara que ainda te respondo, não porque me impressione o que se possa pensar de mim (pior já foi pensado e dito) mas porque gosto sempre de deixar registado que dos meus "porquês", sei eu.
    Passou-me despercebida a parte em que te chamavam um monte de esterco ou lá o que foi, aliás, passaram-me despercebidas uma data de coisas e eu, quando as coisas se me começam a desperceber, tendo a não interferir. Posto isto e depois de exposto o que este exaustivo assunto já me deu oportunidade de expôr, mais não digo nem acrescento, a não ser que não me aprazem ressabios de espécie alguma e a espécie nenhuma. Não apalavro, repito, no "tom" pretendido, a pedido, e não li, em nenhum comentário deixado naquele circo onde era suposto eu ser a "palhaça", nada que me suscitasse sequer vontade de contrapôr, quanto mais de medir forças, de tão pobre que achei aquilo tudo.
    Cojones, ou se tem, ou se não tem.
    Nem tu, nem a hipotética "convidada estrela", os têm. E isto, my friend, é um facto. Firmado pela quantidade de voltas que dás ao assunto, sem que no entanto, a ele, te dirijas directamente. E depois, tá claro, que não lavo, eu, a roupa suja de ninguém.


    Ps: a receita dos pastéis de Belém, é secreta.

    ResponderEliminar
  9. Laurica, Não sei onde foste associar-me ao conceito de nú, mas pronto, espero que ao menos faça boa figura. Quanto ao cagar, há horas para tudo, e quanto mais à rasquinha maior o alivio, por isso estás a ver mais ou menos no tipo de coisas onde procuro prazer.

    ResponderEliminar
  10. Isa, sem ressabios, aliás já te expliquei, coisa que tu insistes em não entender, que esperava que toda esta conversa pudesse trazer risadas e diversão.

    Para tua informação, os meus colhões continuam no seu lugar, e não é por tentar envolver pessoas à conversa que eles se sentem beliscados.

    ResponderEliminar
  11. Vai-se a ver, talvez pela persistente insistência com que teimas em deixar registado o teu desagrado em relação à minha airosa personna. Persistência, insistência e teimosia que, diga-se en passant,serão características notáveis se aplicadas no que vale a pena. Eu não valho. Que vim a esta vida (tão simples e que nos esmiframos a complica-la) exactamente munida das mesmas, e mais de umas quantas, más e boas,depende da perspectiva. Á presente situação, lembro-me por exemplo, assim em depressa, de uma, que é esta minha inequivoca tendência pró prenomitório.
    E em um assunto dar em merda, prefiro ser eu a escolhê-lo, que assim não sou sou a única responsável, como me dá alguma liberdade de movimentos pra nele me banhar, a meu bel prazer. Manias.
    Logo, dou aqui por encerrada a minha prestação, quanto ao assunto em questão.

    ResponderEliminar
  12. * que assim não SÓ sou a única responsável e bla bla bla

    (e ainda atiro com um imprevisível yada yada)

    ResponderEliminar
  13. Fica registado o teu direito à participação nas conversas que muito bem entenderes, com quem muito bem entenderes, e da forma que muito bem entenderes, aliás esse direito está consignado na própria natureza do local, e é extensivel a todos os que nele participam, como não poderia deixar de ser.

    Em suma, pó caralho!

    Anda para aqui um gajo a desgastar-se a tentar animar a coisa, esquecendo-se que o conceito de animação varia mais que os humores de uma senhora.

    ResponderEliminar
  14. A Senhora está no céu.
    Seja lá ela quem for, chama-lhe outra coisa, mas pensa primeiro três vezes, que tu és um perigo.
    chuack

    ResponderEliminar
  15. Então parece que sou mesmo a única, para estes lados, que te associa ao conceito de nú.

    Olha pois bem, muito me dizes.


    E esse quanto mais à rasquinha melhor o alivio, sim vendo a coisa de várias de maneiras, sim entendo, mas porra para quê conter? Olha ainda te vai chegar o dia em que queres conter, e , e incontinência, prontos, e mais qualquer coisa precoce, e mais não sei o quê, coisa chata.

    ResponderEliminar
  16. Laurica, ou pior que isso, pode esse dia nem ter tempo de chegar, antes do esticar de pernil.
    Um gajo sabe lá, não é?
    Por isso mesmo tens razão, para quê conter?

    Talvez sejas a unica a associar-me ao conceito de nú, porque és a unica pessoa no mundo a quem mandei uma foto minha nu.
    Disso podes gabar-te!
    Mas também não podia ter deixado de retribuir a tua simpatia, não é?
    Pois é.

    ResponderEliminar
  17. Ora aí está uma temática interessante, a nudez.
    Já era tempo de pores fim à saga RitaAlice ,ou lá o que é. Estava a ser profundamente saturante, sem trazer nada de aliciante à tua caixa de comentários. Digo isto na eventualidade de ter terminado e na simples qualidade de mui humilde comentadeira do teu blog.

    A casa é tua e tu darás continuidade ao que bem entenderes,pois podes sem dúvida nenhuma ter um entendimento diferente do assunto e considerares que RitaAlice/anónimos/não sei o quê, mais ou menos creepy, mas nunca kafkiano,transportam alguma mais valia para os diálogos que aqui acontecem.
    Disse nunca kafkianos porque se o fossem ter-me- ias bastante interessada e participativa.
    Mas não foram/são.
    Isto só para dizer de forma muito sã e lúdica que para esse peditório já dei.

    ResponderEliminar
  18. Ora então a Maggie já deu para o peditório RitaAlice, muito bem.

    Mais alguém quererá contribuir?
    Também se quiser vem sempre a tempo, que neste blog passam a haver caixas de esmolas, sendo que a 1ª já tem Santa, A RitaAlice.

    Mas ora então Maggie, minha querida, vens agora toda mãos largas para o peditório nudez?
    Que traz o teu contributo?
    Para informação das menos atentas, a caixa de esmolas para o peditório nudez tem como endereço, sr_coiso@sapo.pt, vem Maggie, contribui e sê generosa, que o santo agradece, o santo coiso, neste caso.
    Aleluia, que hajam generosas esmolas.

    ResponderEliminar
  19. Eu não falei em peditório para a nudez.Não te excedas na interpretação, pá. Falei dela como tema. Como tema dá pano para mangas, o que parece uma contradição nos termos, mas não é.

    Além do mais hoje já desembolsei bastante em portagens. Devia haver descontos quanto há acidentes.

    ResponderEliminar
  20. Considero-me blogosfericamente deflorada, em termos de impropérios. Foste o 1º gajo a mandar-me pó caralho. Assim que me lembro e eu só me lembro de quem m'interessa.

    Agora temos que casar. Vês? só arranjas merda, tu.

    ResponderEliminar
  21. E então Maggie, que há de extraordinário na nudez? Nada, a não ser estar escondida.
    Quem já esteve em praias de nudistas sabe do que falo, por isso há bastante mais a falar do esconder do que do mostrar, não achas?

    ResponderEliminar
  22. Ó mona lisa, tu blogosfericamente desflorada? Eu fui o 1º a ter a gentileza de te mandar a um sitio tão falado, quase como se fosse um daqueles destinos de férias paradisiacos, hã mona lisa? hã?

    E tu ainda te queixas, e ainda para mais já queres por força levar-me ao altar, pois fica sabendo que ainda está por nascer quem me leve ao altar, que eu tenho assim tendência para as mais novas.

    ResponderEliminar
  23. A nudez não tem nada de extraordinário, se pões as coisas nesses termos.
    O interesse da discussão pode estar a outro nível.
    Será que eu conheço melhor alguém por vê-lo(a)
    nu(a)?
    Nudez e intimidade estão sempre ligadas?
    Não estava a pensar em nudismo,que para mim é outra coisa completamente diferente.

    ResponderEliminar
  24. Se alguém se mostra nu, é porque está a dizer que nada tem a esconder, ou porque é tarado, ou porque foi assaltado e levaram-lhe tudo.

    E claro que é por aí, o que é a nudez fisica ao lado da nudez que escondemos com os nossos elaborados comportamentos? E aqui refiro-me ao jardim secreto de cada um, porque todos o têm, não é?

    ResponderEliminar
  25. Sim, todos temos jardins secretos em nós, como aquelas bonecas russas, as Matrioshkas, que camada após camada podemos despir.

    respondo eu de mim para mim

    ResponderEliminar
  26. A nudez física não mostra a nossa essência, não nos revela, mostra o mais simples e fácil de nós.

    O resto, o mais complexo não é para quem quer ver, é para quem sabe ver.
    Por isso estar nu ou vestido vale o mesmo para o conhecimento de cada um de nós.É completamente indiferente.
    O jardim secreto é um conceito muito poético e por isso sugestivo.
    Todos temos,penso, uma parte que não conseguimos ou não queremos partilhar. Acho que até é saudável, é como um seguro da nossa individualidade. Não nos podemos diluir completamente no outro.
    Diluir, olha que bem ficou aqui a "tua" palavra!

    ResponderEliminar
  27. E respondes bem.
    E o susto que é se a minha última matrioska não existir!

    ResponderEliminar
  28. Sim Maggie, muito de acordo, tu és moça muito sensata, mas deixa-me só fazer uma pequena correcção ao que acabaste de explicar, devias ter escrito "Não nos podemos diluir completamente nos outros", outros!

    ResponderEliminar
  29. Tu praticas nudismo fora de casa?! Acabaram de dizer que isto não era kafkiano.

    ResponderEliminar
  30. Se eu pratico nudismo fora de casa? É pá, eu pratico nudismo por dentro da roupa, ou seja, em todo o lado.

    ResponderEliminar
  31. Yes, sir! Usei outro significando o ser humano, em sentido genérico. Mas sim, sim nos outros!

    ResponderEliminar
  32. O teu conceito de jardim secreto não será um bocado redutor? Não será mais uma floresta amazónica intransponível?

    (não te atrevas a ignorar-me que eu faço o fiz ao Kafka, aborreci-me e nunca mais lhe toquei)

    ResponderEliminar
  33. O meu conceito de jardim secreto é mais ou menos assim como sendo o lugar onde guardamos aquilo que mais receamos partilhar, com medo de não gostarem, ou com medo que o possam devassar.
    Se isto é redutor, que seja, mas é assim que penso no conceito de jardim secreto,

    ResponderEliminar
  34. Trengo, se gostarem do todo também gostam das partes e vice-versa.
    O meu por exemplo está cheio de ervas daninhas (deve ser por isso que está cheio de melgas) e olha, pode ser que alguém lá queira ir plantar umas flores.

    ResponderEliminar
  35. É um risco que corres ao abrires os portões desse jardim, podem ir lá plantar flores, mas também podem ir só cagar atrás do arbusto.

    ResponderEliminar
  36. Não há arbustos no meu jardim.

    ResponderEliminar
  37. Pior ainda, seria ali bem no meio, do lago, suponho que tenha um lago, ou não?

    ResponderEliminar
  38. Sério, não consigo acreditar nessa história.

    Portantos uma gaja é simpática, e o que recebe em troca? Uma foto de um gajo nú!

    Logo a mim que aprecio mais gajas.

    ResponderEliminar
  39. Claro! Para afogar as melgas.
    No meu jardim só entram gajos limpinhos, portanto acaba lá com as porcarias.

    ResponderEliminar
  40. Então nada de porcarias, concentra-te nas flores, alguém vai lá plantar flores quando menos esperares.

    ResponderEliminar
  41. Laurita, saiu-te uma foto de um gajo nú?
    Onde, numa raspadinha?

    ResponderEliminar