terça-feira, 30 de agosto de 2011

Mijinha ou Miginha?

Quem é que nunca esteve à rasquinha de mijar? Eu sei que devia dizer urinar, fazer xixi, ou até fazer um pipi, mas quando se está mesmo à rasquinha, é de mijar que se precisa, e não uma daquelas coisas mais soft.

Não devo precisar de descrever a sensação de bem estar que a satisfação de tão premente necessidade proporciona, acho eu, mas quem não souber a que me refiro, imagine-se num estado misto de grande satisfação e alivio, e sintonizará a estação em que emito.

Digo isto, porque de vez em quando devemos recordar momentos agradáveis.

Talvez me devesse dedicar a exercicios de contenção urinária, quem sabe iniciar um culto, uma forma de compreender que na vida para se atingir a recompensa há que fazer sacrificios.



33 comentários:

  1. Vou conter a minha vontade de comentar.Qual será a recompensa?

    ResponderEliminar
  2. Conter algo pode ser considerado sacrifício? E a satisfação e o alivio existem mesmo? Esperar/sacrificar por uma recompensa é mesmo coisa de povo pobre de mente. Quê pá. Objectivos finalidades tá bem agora recompensa?

    A recompensa é como a cenoura à frente do burro.


    Relativo.

    ResponderEliminar
  3. Maggie, um biscoito para gato achas bem?

    ResponderEliminar
  4. Tudo é relativo Laura, ou quase tudo.

    Por exemplo, podes tu mesma chegar à conclusão acerca das tuas duvidas de uma forma claramente objectiva, fica sem cagar os proximos 15 dias, e depois anda cá contar a experiência.

    ResponderEliminar
  5. Acho muito bem! mnhmnhmnh!rnhauf,rnhauf!

    ResponderEliminar
  6. À minha pergunta é que ninguém responde, mijinha ou miginha?

    ResponderEliminar
  7. Penso que é com "j". Sabes eu faço xi-xi e em alternativa, I piss e às vezes I'm pissed off!
    Essa questão nunca se me pôs, portanto

    Depois temos a micção e o mictar, mas isso é mais para os dias de festa ou quando recebemos visitas.

    ResponderEliminar
  8. A Isa não o fez, mas tiro-te eu o meu chapéu, pois que vejo estar perante especialista na matéria.
    Maggie, sendo tal especialista na matéria, aposto que deves ter uma pequena frustraçãozita por não teres nascido homem e assim poderes fazer xi-xi contra uma arvore, ou veres o quão distante consegues enviar o teu jacto, ou até fazer desenhos em chão iluminado por luares etilicos, mas deixa lá, haja oportunidade e empresto-te o meu brinquedo.

    ResponderEliminar
  9. Isa, já te disse que ficas bem debaixo desse chapéu?

    ResponderEliminar
  10. Ter nascido homem? Não Herr Jones,não,não e não!
    Não consigo viver sem um belo de um bras, já agora de rendinha cinzenta.

    Se tivesse um jacto ia já para as ilhas Pipi, partilhar algo de forma adulta. Sabes já não tenho idade para brincadeiras.

    ResponderEliminar
  11. Junkie Jones, agora lembrei-me de uma coisa: não conheces a expressão "... ao preço da uva mijona"?

    ResponderEliminar
  12. Quem não conhece essa expressão? Quase que poderia dizer, aqui que a conversa começou por necessidades fisiológicas, que essa expressão é mais conhecida que o cagar, contudo estava antes a pensar na parte dos sacridicios e respectivas recompensas, e no contraste com aquela situação de que me falaste, do dinheiro que se espalhou na estrada.

    Também se usa o termo "mijão" para nomear um sortudo, conhecias esta expressão?

    ResponderEliminar
  13. Não, qual dinheiro? Andas a espalhar dinheiro na estrada? Onde? A que horas? A estrada está seca ou molhada?

    ResponderEliminar
  14. Maggie, a avaliar pela quantidade de mijões que por lá andava, deve ter ficado bem molhada, a estrada.

    ResponderEliminar
  15. Pelo menos não houve poias por aqui.
    Que assunto desagradável, querido. Não há outro post a caminho?

    ResponderEliminar
  16. Alice, não sei porquê pá, mas é que não sei mesmo, porque até tens um nick giro, mas causas-me uma certa vontade de te mandar foder, a sério, e se calhar estou a cometer um enorme injustiça.

    ResponderEliminar
  17. Cagando estava a dama mais formosa,
    E nunca se viu cu de tanta alvura;
    Porém o ver cagar a formosura
    Mete nojo à vontade mais gulosa!

    Ela a massa expulsou fedentinosa
    Com algum custo, porque estava dura;
    Uma carta d'amores de alimpadura
    Serviu àquela parte malcheirosa:

    Ora mandem à moça mais bonita
    Um escrito d'amor que lisonjeiro
    Afetos move, corações incita:

    Para o ir ver servir de reposteiro
    À porta, onde o fedor, e a trampa habita,
    Do sombrio palácio do alcatreiro!

    Manuel Maria Barbosa du Bocage

    ResponderEliminar
  18. Mil perdões! O título é: "Soneto da Dama Cagando"

    ResponderEliminar
  19. Tens aí a verdade, desagrada-me esta conversa e não consigo achar piada, ao contrário do que é costume. Preferes que faça de conta que gosto? Eu não. Se for para "inventar" prefiro abster-me de dizer o que for (podia tê-lo feito mas apeteceu-me vir para aqui e não ficar calada).
    E és livre de me mandar fazer o que bem entenderes, tal como eu sou livre de fazer aquilo que quero e apenas isso.
    Dorme bem.

    ResponderEliminar
  20. Bocage devia saber que uma dama não caga, no máximo faz xixi e pára aí. ;)
    beijinho

    ResponderEliminar
  21. Maggie, agora tiraste-me o tapete de baixo dos pés, sinto-me quase como quando descobri que não há pai natal.

    Então as mulheres também fazem cócó?

    Nunca mais olharei um traseiro feminino da mesma forma, como é cruel este mundo.

    ResponderEliminar
  22. Alice, tens razão, tu comenta o que, e como, muito bem te apetecer, que isto aqui é um sitio onde se respira liberdade de expressão, respira, mas cuidado com os cheiros, porque a coisa anda por caminhos com odores duvidosos.

    E quanto ao cagar pá, se o Bocage disse que as mulheres cagam, é porque cagam, que não foi por mentir que o homem ficou famoso.

    ResponderEliminar
  23. Mas por onde anda o romantismo, meu Deus! Será que ninguém repara que o que é terrivelmente relevante, é a dama limpar o traseiro a uma carta de amor!
    Uma carta de amor!

    Ainda bem que agora vêm todas por mail, assim evitam tão prosaico e mal cheiroso destino.

    Junkie, é verdade também fazemos cocó, xi-xi até dizemos papá e mamã.
    Para quem surgiu de uma costela não estamos mal.
    A propósito,Junkie Jones, padeces muito da região intercostal?

    ResponderEliminar
  24. É óbvio que reparei, Margarida. Uma verdadeira dama nunca faria uma coisa dessas (a não ser que a carta fosse uma aldrabice), e Bocage também deveria saber isso. Só que essa questão não se põe se a dama não cagar por princípio.

    Que conversa de cocó...

    ResponderEliminar
  25. Nunca recebi uma carta de amor por mail. Não sei se fique contente ou triste.

    ResponderEliminar
  26. Olha Maggie, eu padeço mais é da região intracraniana, não se nota?

    ResponderEliminar
  27. foda-se! se se nota??
    ahahahahahahah

    ResponderEliminar
  28. Então não é "diz o roto ao nu"?

    É pá "roto" na roupa!

    ResponderEliminar
  29. AHAHAHAHAHAHAHAH





    ai caralho, qu'isto tá tão tão mau, que só me dá pa rir...

    ResponderEliminar
  30. Isa, tu achas que esta merda é assim uma espécie de rictório?

    Tu tem lá respeitinho aqui pelo meu blogue, que isto não é caralhos a torto e direito como tu pensas, aqui usa-se um vocabulário que possa ser lido por, claro está, leitores dos 8 aos 80.

    ResponderEliminar
  31. http://www.youtube.com/watch?v=fMphCjWXOKo

    Shhhh, shhhh

    ResponderEliminar