quarta-feira, 24 de agosto de 2011

As aventuras de um escaravelho da batata

Era uma vez um escaravelho da batata que decidiu mudar de vida, sabia que tinha nascido escaravelho da batata, mas não sabia porquê, era um inadaptado, só lhe apetecia ir para a praia no verão e apreciar a paisagem, ainda haveria de ser nadador salvador, desse lá por onde desse.
Acontecia o ano de 1654, e nesse tempo a ideia de ser nadador salvador era algo que só poderia vir assim de um visionário, e então deus, na sua imensa sabedoria enviou à terra um anjo para ver no que aquilo poderia dar, e ao mesmo tempo o diabo estava com as mesmas ideias, que raio, um escaravelho da batata visionário? E decidiu ele também enviar à terra um demónio, não fosse dali poder ainda vir a tirar algum proveito.
Ora, os anjos e os demónios não podem entrar assim na terra, como se para isso bastasse um estalar de dedos, tinham que percorrer determinado caminho, e num determinado ponto havia uma espécie de espelho de água, que na vertical desafiava qualquer lei da gravidade.
Acontece que ambos chegaram a esse espelho ao mesmo tempo, e no mesmo exacto momento o atravessaram. Poderia ter acontecido tal coincidência, como aparecer uma agulha num palheiro, e ocorreu, entrando dois de um lado, saiu só um do outro lado, do lado de cá, na terra, e esse só um era uma, com um lado angelical e outro lado demoníaco, o que não poderia resultar senão numa criatura encantadora.

62 comentários:

  1. E o que aconteceu depois ao escaravelho visionário quando a criatura o encontrou? Mudou de vida? salvou alguém? ficou quietinho a partilhar a paisagem?

    ResponderEliminar
  2. Eu já disse para aí, sei lá, um colhão de vezes talvez, que os anónimos arranjassem um nick para se saber quem escreve o quê, mas não, continuam a aparecer por aqui anónimos, e não me venham com nicks "maria" ou "manel", que aqui quer-se gente que se distinga, nem que seja pelas piores razões.

    Quanto ao escaravelho da batata, para já ficou por ali, que isto um gajo não há pachorra para escrever sem parar. Um destes dias talvez siga com a historia, porque havia também um meio e um fim, mas ficaram na manga.

    ResponderEliminar
  3. Que maçada! Não te podes habituar a que te façam as vontadinhas todas, tá?
    Sou sempre EU!

    ResponderEliminar
  4. excepto aquele do "remanso do silêncio"

    ResponderEliminar
  5. Tu começas mas nunca acabas.

    ResponderEliminar
  6. Ui, EU maiusculo, que enorme ego por ai vai.

    ResponderEliminar
  7. Estás a falar de quê?
    E arranja um nick, se fazes favor, de preferência algo de original, e usa-o sempre que aqui vieres.

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  10. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  11. Quê?

    Ó menino armado em escaravelho da batata, elucida-me cá um coisa, é apenas impressão minha, não é? Ando a ver coisas onde elas não estão, sim é bom, não é?

    Nadador salvador? Não estou a ver a perspectiva da coisa, provavelmente estou a ver do lado errado.

    ResponderEliminar
  12. Alice, seja lá quem tu fores, não tenho nada a obstar aos teus comentários.

    ResponderEliminar
  13. Laura,

    Não, não me identifico com o escaravelho da batatae tu não te impacientes, que se me der na veneta lirica, ainda pode ser que lance mais um episódio das aventuras do escaravelho, onde nem sequer seria ele o personagem principal, logo se verá.
    Eu pelo meu lado, confesso que me sinto muito mais fascinado pela criatura vinda do céu e do inferno.

    ResponderEliminar
  14. Sabes por momentos pensei ter reconhecido a tal criatura, ando a ver o que não está, acontece.

    Portantos que venha o próximo episódio.

    ResponderEliminar
  15. Junkie,um esclarecimento:"demoníaco" é sinónimo de sedutor ou é o lado lunar da criatura?
    De qualquer forma aguardo ansiosamente o desenvolvimento da narrativa que, palpita-me,terá um final aberto.





    * não conhecia o escaravelho da batata e ao googlar apareceu-me um bichinho muito simpático que parece uma joaninha de t-shirt às riscas.

    ResponderEliminar
  16. Laura, mas tu achas que isto episódios é assim, sem mais?
    É preciso que haja ispiração de momento, além de que a haver algum significado nas minhas historietas, não é de entendimento fácil, e não é que sejam complexas.

    ResponderEliminar
  17. Maggie, esse esclarecimento deixo ao teu critério, que nada como cada um fazer a sua própria interpretação.

    Mas sim, julgo que uma das caracteristicas do lado demoniaco da criatura seria a sua capacidade de seduzir por querer, e não por acontecer.

    ResponderEliminar
  18. Junkie Jones, sejas lá tu quem fores, não tenho nada a obstar aos teus posts. Não o tinhas apagado?

    ResponderEliminar
  19. Pois Junkie Jones, esta é ou vai ser uma história de sedução e o que eu gosto de sedução e de histórias sobre ela! quer seja entre a raposa e o principezinho, porque a raposa com aquela conversa de cativar, é de facto uma sedutora, quer seja a sedução da pobre Eva. Porque será que a serpente não tentou Adão directamente? Usou a mulher para chegar ao marido? A mulher é mais facilmente seduzível? Bom mas isso já é outra história, ou será que é tudo a mesma história?

    ResponderEliminar
  20. Alice, apagado o post? Onde foste buscar essa ideia? O post está ali em cima, onde sempre esteve desde que nasceu.

    ResponderEliminar
  21. Maggie, eu não estou bem a ver como é que a serpente ia tentar o adão directamente, a não ser que o gajo fosse rabeta, coisa que não se consta que fosse.
    E não me parece que a mulher seja facilmente seduzivel, é tudo uma questão de perspectiva, qualquer pessoa é facilmente seduzivel por quem a seduza, tal e qual.
    O mesmo piropo vindo de um gajo feio, ou de um giro parecem coisas completamente diferentes, então não parece?
    Mas sim, há os artistas da sedução, talvez descendentes da tal criatura que nasceu de um anjo e de um demonio.

    ResponderEliminar
  22. A tentação era só uma maçã, mas se a serpente fosse rabeta até a treta do criacionismo se tornava mais interessante.

    Depois o conceito de gajo feio e gajo giro, é isso mesmo um conceito dominado pela subjectividade.

    ResponderEliminar
  23. Ó Margarida, uma serpente rabeta?
    Acho que vou ter que arranjar maneira de meter lá na história do escaravelho da batata, uma serpente rabeta.
    A ver se não me esqueço.

    ResponderEliminar
  24. Uma pergunta, se me derem licença: a Alice é a RitaAlice? é que se é, muito prazer eu sou a Isa, uma fã sua e então é assim, Alice, dá pra ser um cadinho mais explícita nos comentários? ou mais desenvolvida, vá. É que depois do post aqui do Junkie, uma pessoa fica uma beca a tentar pôr os neurónios no sítio, vai daí que não se compreende nada ...

    (fui bem não fui, Jones?)

    ResponderEliminar
  25. E ainda sobre sedução, fica aqui uma gracinha com os Mad Men,que,parece,sabem da poda:

    http://www.youtube.com/watch?v=tjhvtNs48SE&feature=player_embedded#!

    ResponderEliminar
  26. Junkie, a ideia da serpente rabeta abrasou-me as sinapses.
    Agora só consigo ver a cena do paraíso assim:

    Serpente com plumas e lantejoulas(rabeta ao estilo Liberace): “Ó Evita, tu não leves a mal, mas quando o teu Adão passa, ai melhére, c'aqueles glúteos tã rijinhos, até se me passa ma coisa na horizontal que m’aquece o sangue! E quando lhe dá o vento na parra, ai coisinha, não é por nada mas até parece que reconheço uma jibóia que andou comigo na primária!” ( jibóia…primária… já vi e li isto em qualquer lado…)

    Deus Nosso Senhor para a serpente: “tá andar, tá andar sua jararaca, q’isto não é uma repartição pública, vá lá lançar peçonha e caçar ratos! Julga qué só receber o rendimento social de inserção e não fazer nenhum, não é? Querias, isso agora acabou!”
    (imagino Deus Nosso Senhor com enorme capacidade de liderança, muito despachado e assertivo)

    Junkie Jones, não te aborreças comigo nem me venhas dizer que eu ando a dar no material marado. Não é nada disso. Tou só bem disposta.

    ResponderEliminar
  27. Estiveste bem sim, Isa, eu próprio já me coloquei essa questão, será que a Alice é a RitaAlice?

    Diria que não, porque a RitaAlice deve estar ocupada a olhar seu rabo de esguelha no espelho e a pensar "escanzelado é o teu cerebro ó Junkie Jones".

    Agora essa de tu seres fã dela, muito me contas.

    ResponderEliminar
  28. Ó Maggie, pá, que imaginação a tua, e essa fixação em serpentes rabetas e jiboias primárias tem que se lhe diga.
    Deve haver alguma interpretação segundo Freud dessa tua fixação.

    ResponderEliminar
  29. Pobre Freud, o gajo é convocado a explicar tudo.
    Não é fixação nenhuma, foi apenas um exercício de imaginação, para dar mais colorido ao paraíso.

    Jibóias... pois, li isso em qualquer lado, mas já não recordo onde...

    ResponderEliminar
  30. JJ, parvoíce minha. O meu tlm não deve gostar de escaravelhos.
    Quem é que quis seduzir quem?

    Isa, não se compreende nada porque ele não acaba nada do que começa. Acabou por não contar quem era essa personagem mítica(?). Só ficámos a saber que ele acha que ela tem um rabo escanzelado.

    Margarida, diverti-me com a história da serpente rabeta. Queres partilhar o motivo de tão boa disposição? Também quero.

    ResponderEliminar
  31. Alice, essa coisa das tuas parvoices já começa a tornar-se um lugar comum por aqui.
    Eu, pelo meu lado, confesso que tenho alguma dificuldade em seguir-te o raciocinio.

    ResponderEliminar
  32. Não há grande raciocínio. Deve ser por isso que tens dificuldade em segui-lo.

    ResponderEliminar
  33. Bem Alice, percebo agora porque vens, aqui a este sitio onde o raciocinio delirante floresce, não é bela a flor, mas mesmo a menos bela das flores não deixa por isso de o ser.
    Ora conta cá à malta quem és tu.

    ResponderEliminar
  34. Apetece-me ser má contigo. Mesmo quando despertas o meu lado doce e meiguinho, fico logo de seguida com vontade de ser má. Já pensaste no que me deves ter feito para que isto aconteça?

    ResponderEliminar
  35. Ainda não pensei, porque nem imaginava que te tivesse feito o que quer que fosse.
    Mas fosse o que quer que fosse que eu te tivesse feito, tu vais explicar, então pois não vais, Alice?

    ResponderEliminar
  36. Quem sou? Olha, tenta descobrir isso nos textos aqui deste fim do mundo privado.

    ResponderEliminar
  37. Este fim do mundo privado é o prenúncio de um novo mundo?

    ResponderEliminar
  38. É por estas e por outras que 'pois uma gaja desiste, tás a ver Junkie? conversetas de merda, tipo ésseémicas de dois putos de 16 anos.

    Ó Alice, vira-te cá pra mim que sinceramente, uma mulher tem lá os seus limites de curiosidade: conta lá à malta o que te fez aqui o estafermo do Jones, a ver se a cena se resolve duma vez por todas pá. Porque das duas uma: ou andas aqui a enconar com blablablas de quem não tem mais prádonde se virar - tipo copos, amigos e pardais ao ninho - ou conheces o pitéu d'outros carnavais. Em qué que ficamos? hum?

    ResponderEliminar
  39. Alguém é especialista em "conversetas de merda" e não sou eu. E olha, tendo em conta os "outros carnavais" nem sei como é que ainda aqui estou.

    (alienada)

    ResponderEliminar
  40. Fui reler, cachopa.

    Não foi isso que perguntei, poi não? cá bracinho e 'bora a desbobinar, vá.

    ResponderEliminar
  41. Eu quero ser boazinha e desbobinar tudo tudo, mas não consigo. Contigo também não funciona, não sei porquê. Boa tentativa, Junkie.
    Abracinho de volta.

    ResponderEliminar
  42. Ué ...

    Como COMIGO não consegues?? foda-se! todá gente consegue sempre comigo, caray!

    agora traumatizei.

    ResponderEliminar
  43. O essencial resume-se a isto:
    Alguém é especialista em "conversetas de merda" e não sou eu. E olha, tendo em conta os "outros carnavais" nem sei como é que ainda aqui estou.

    Vendo bem, está aqui tudo.

    ResponderEliminar
  44. Não traumatizaste nada, tu és uma gaja desempoeirada que dá a cara, não é? Ensina o Junkie.

    ResponderEliminar
  45. Bem, enquanto a Alice enconava, eu escrevia, e lá está, arranjei um fim para esta história.

    Ó Alice, que se passa contigo, tu desbonina pá!

    ResponderEliminar
  46. Por acaso aí não deixas de ter razão, Alice, que com este gajo se põe a falar é sempre bom ter pelo menos uma janela por perto, pra se poder pelo menos apreciar as vistas. Opá, tá claro que tu não és "todá gente", cada um de nós é um, aquilo era eu a generalizar as minhas experiências, percebes? e claro que traumatizei carago! num tou habituada a rechaços esse tipo, ora. "Encosta a tua cabecinha no meu ombro e chora, e conta tuas mágoas todas só pra mim" é canção que sei de cor, desde mui moça e até hoje resultou. Porra.Já nem pra isso sirvo...? deuses ó deuses ... ando aqui a fazer O QUÊ, EU???

    ResponderEliminar
  47. Ó Isa, quanto mais não seja pelo chapéu, fizeste bem em ter vindo.

    ResponderEliminar
  48. Já me lembrei porque continuo aqui, Junkie.
    A tua tentativa de final está muito bonita, mas provavelmente é apenas o meio da história (wishful thinking).

    ResponderEliminar
  49. Isa, o que eu queria um ombro. Um ombro é sempre um ombro, mas há ombros e ombros.

    ResponderEliminar
  50. Isto agora há programecos para tudo, fiz download da net de um que me pareceu curioso, uma espécie de rastreador de acessos aqui a este sitio, e o inovador deste programeco, é que diz qual o género de quem acede, e surpresa das surpresas, diz que a Alice é um Aliço, por isso um piço.
    Ou será pisso?

    ResponderEliminar
  51. Parece tudo muito complicado mas deve ser tudo muito simples. Bonito assim como a história do Junkie, mas mais realista. Ele vê sempre deuses e demónios em todo o lado e no final somos todos humanos.

    ResponderEliminar
  52. Eu não disse? Que previsível. Estava tudo a correr tão bem... Da última vez que me olhei de esguelha no espelho tinha rabo e mamas de gaja. Queres que vá confirmar novamente? O que eu não faço por ti (suspiro).

    ResponderEliminar
  53. Isso, vai lá confirmar, que a gente fica aqui à espera.

    ResponderEliminar
  54. Estou a ficar sem cintura. Isto sim, é um verdadeiro problema.

    ResponderEliminar