quinta-feira, 22 de setembro de 2011

I just call to say I love you...

Vão pó caralho pá, vós que vos alimentais dos meus pensamentos, que me atormentais o sossego, inde por-vos num porco pá, ok?

8 comentários:

  1. Num porco?

    Ó Junkie, fode-te e dança!

    ResponderEliminar
  2. Este post carece de uma interpretação que atinja a camada mais profunda do texto.

    A consistência hermenêutica de "vão pó caralho" não apresenta dificuldades acrescidas. Ir pó caralho é isso mesmo, é ir pó caralho.

    Onde o texto se torna mais hermético é quando se refere, utilizando sempre o imperativo (modo, que, todos sabemos, indica uma ordem),"ide por-vos num porco". O "Ok" é uma interjeição que esbate e aligeira um pouco o tom formal dado pelo uso da 2ª pessoa do plural.

    Mas voltando ao "ide por-vos num porco", penso que aqui a análise semântica não é consensual.

    Poderá ser descodificado como utilizar o suíno como meio de transporte.

    Para mim que não sou vegan mas apenas uma vegetariana pouco engagé, também tenho os meus dias de leitão e de migas com entrecosto, tudo isto se torna muito estranho e de difícil compreensão.
    Será que a palavra "porco" se refere mesmo ao animal doméstico que ainda existe nas nossas aldeias, ou "porco" é no sentido da pessoa que utiliza uma linguagem escatológica?

    Aqui ficam as minhas dúvidas.

    ResponderEliminar
  3. Eu explicar, no problema!

    "ide por-vos num porco" que dizer nem mais nem menos do que "ide praticar relações sexuais com um porco".

    Claro que também eu prefiro leitão da bairrada do que copular com um porco, mas sei lá, imagina que eu estava numa ilha deserta, onde só crescia um fruto muito nutritivo, e extremamente afrodisiaco... talvez preferisse um leitão vivo do que assado, digo eu, assim a frio.

    Espero ter sido suficientemente claro, e como vês este texto tem muito mais de bestial do que de hermético.

    ResponderEliminar
  4. Nem nas minhas mais interessantes fantasias me passou pela cabeça copular com irracionais. O porco então nunca me ocorreria.

    Mas fiquei esclarecida, sem dúvida.

    E concordo contigo, esta posta está bestial.

    ResponderEliminar
  5. Ó Maggie, olha que a irracionalidade na cópula tem o seu encanto, acho que devias introduzi-la nas tuas fantasias.

    ResponderEliminar
  6. Prefiro criar fantasias que sejam uma utopia do real.

    Bicharada, não é minha praia.

    ResponderEliminar