domingo, 16 de outubro de 2011

Os Apagadores

Acabei de me iniciar na modalidade "rebobina, apaga".

Que modalidade é essa, perguntar-se-á quem passar por aqui os olhos, partindo, suponho eu, do imediato pressuposto de que o assunto são gravações, algo que passou e ficou registado num suporte que permite a eliminação de partes ou totalidade do registo.

Alguns, outros, com uma visão menos circunscrita da temática, alvitrarão logo que o assunto é mais abrangente, e ganharia pleno corpo se cobrisse também aquela habilidade tão rara e especial que alguns parecem ter, de aplicar esta técnica na própria vida, apagando de lá acontecimentos, pessoas, desenhando por cima, pintando novos relacionamentos como se naquela tela nunca tivesse havido outras paisagens, outros retratos.

Eu, não querendo ir por aí, que hoje a condenação não é caminho que me apeteça trilhar, eu que tenho o meu passado gravado de forma indelevel na galeria das minhas recordações, reconheço-me assim, mas não me acho por isso melhor que os "apagadores", e chego a invejar quem tem tal argumento para ser feliz.

Não, definitivamente ser "apagador" é algo que está para além das minhas capacidades, referia-me somente ao apagar de um post e sua substituição por este.

24 comentários:

  1. Que giro! Até faz pendant comigo. Também estou hoje muito apagada.

    ResponderEliminar
  2. Isto anda tudo muito apagado mesmo, não quero estar aqui a incentivar à volência, mas vejamos, este fim de semana houve manifestações um pouco por toda a Europa, contestatárias da situação actual, e não sem algum espanto, depois de ver na tv as imagens das manifestações pela Europa fora, onde se viam cargas policiais, apedrejamentos, e até carros incendiados, vi também as imagens das manifestações em Portugal, onde à mistura com algumas vozes indignadas para a câmara, e alguns cartazes com slogans de revolta, se viam também os sorrisos das pessoas tão em contraste com a expressão séria de quem aparece em 1º plano, e outros cartazes que mais pareciam estar a concorrer a um concurso de piadas.

    Como dizia, não sem algum espanto, porque as medidas anunciadas cá para o rectângulo fazem parecer as dos outros um resort de luxo.

    Nós somos um país de apagadores, vamos mas é apagar a culpa de quem nos deixou aqui, vamos apagar as duvidas sobre se é justo a conta ser paga da maneira que vai ser paga, vamos só olhar para a frente com optimismo, arregaçar as mangas, e apertar o cinto.

    Há coisas que, pura e simplesmente, não se podem apagar.

    ResponderEliminar
  3. Ó gajo, comé que sabias que tenho em mente fazer um post sobre os "apagadores" dos factos desta vida, passando por apagadores ou moderadores de comentários,vulgo os pretensos defensores da liberdade de expressão (e que a usam tão bem quando vão a outros blogues comentar como anónimos), mas que na verdade são verdadeiros prepotentes, castradores da opinião alheia?

    hum?

    ResponderEliminar
  4. Ai tens isso em mente Isaltina?
    Não sei se o que tens em mente é aquilo que julgo que é, vou ter que esperar pelo post para verificar, a não ser que queiras levantar um pouco do véu, ou então tirar algum coelho desse chapéu.

    ResponderEliminar
  5. Não levanto nem tiro nada.
    era só o que faltava.

    ResponderEliminar
  6. Não digas isso Isaltina, tenho para mim, como tu própria dirias, que em havendo oportunidade para tal, ainda levantarias muitas coisas.

    Levantarias, ou levantarás, não sei, que estas coisas dos tempos verbais baralham-me as direcções.

    ResponderEliminar
  7. Não faças confusão karamelo, que eu ainda levanto muita coisa, mesmo sem dar por ter dado oportunidades pra tal, hã?
    apoisé, é pra quem pode e nasce fadado a estes destinos.

    Agora, se o assunto for directamente comigo,pardaleco, há cenas a estabelecer antes, que eu não sou de misturar amizades com negócios.
    Uma coisa é uma coisa, e outra coisa é o que se vê.

    ResponderEliminar
  8. Tu lá garganta não te falta, agora coisa a sério? Nem vê-la!

    Tu desengasga-te e explica-te, deixa-te de discursos que parecem uns naprons, e vai-te direita ao assunto com coisas que um gajo entenda.

    ResponderEliminar
  9. Ai pera pára tudo que lhe deu a travadinha. Mas tu agora dás-me ordens, pechisbéque? ai quéra só o que me faltava.

    Eu desengasgo, quando m'apetecer. Estas coisas levam o seu tempo.
    E se queremos perfeição, há que toma-lo sem olhar a quanto.
    Já dizia a irmã Doroteia, minha professora de Lavores em 1712: 'mai linda! depressa e bem, há pouco quem.

    ResponderEliminar
  10. Sabes o que é que eu acho Isaltina? Anda a faltar aqui qualquer coisa para além da Maggie!

    É verdade, também falta a Alice, que é para não falar da Laura.

    E as anónimas, ui, saudades, não me ocorre outra expressão.

    E o salvador, tadinho, que até ele já cá veio uma vez, e não choramingou nem nada.

    Falta qualquer coisa pá, e não sei bem dizer o quê, também sentes o mesmo?

    ResponderEliminar
  11. Nunca!

    Nunca posso contar contigo para nada.

    Sempre toda airosa e voluntariosa, mas quando chega à hora da verdade, tem sono.
    Pelo menos não é dor de cabeça.

    ResponderEliminar
  12. Vou abandonar esta merda, nem post de despedida nem o caralho!

    ResponderEliminar
  13. Vai um comentário de despedida!

    Pá, também foi bom para vocês?

    ResponderEliminar
  14. Podes parar ca gritaria que tás a acordar a vizinhança toda?? vai pra dentro imediatamente e não apagas nada!
    parvo, que tem sempre uma pessoa que se por em cuidados por causa dele!

    quais "nunca", quais quê, cala-te é masé e vai dremir cámanhã há mais, pareces um menino mimado que perdeu o pirolito, caralho!


    foda-se a mais este fado qué a minha vida, hã, que raio de sina a minha.

    ResponderEliminar
  15. Epá, Junkie, qué isto?

    Hoje não vim aqui mandar umas papaias porque estou com os cornitos enfiados no computer, cheiinha de trabalho até às meninges.

    O que queres tu?

    ResponderEliminar
  16. Tás a ver, agora amandas-te para vale de lençóis e fica aqui uma pessoa a falar ali para a paisagem.

    ResponderEliminar
  17. Junkie Apagador, Apagador-Mor do reino, tu que rebobinas e apagas e que quase roças a omnipotência bloguística, diz-me: porque é que as pessoas mudam, não fisicamente mas no interior, no âmago, na alma, se quiseres?
    É pela inevitabilidade da passagem do tempo ou pelas vivências?

    E será que mudam mesmo? Ou as circunstâncias é que mudam?

    Estou a referir-me a mim própria e estas questões surgiram-me porque passei um fim de semana muito introspectivo, potenciado pelo consumo de uma substância lícita, m&ms.

    ResponderEliminar
  18. E antes que mandes bocas, vê só:

    "Those With A Sweet Tooth Usually Have A Sweeter Personality"

    http://www.medicalnewstoday.com/articles/235801.php

    ResponderEliminar
  19. Vê se aprendes a disfarçar esse olhar embevecido por tudo quanto é gaja, isto se quiseres parecer um tipo sério. Aproveita e corta os pêlos.

    ResponderEliminar
  20. quanto ao ser, já não convences ninguém.

    ResponderEliminar
  21. Epá, Junkie, tu tens muitos pêlos? Assim tipo Tony Ramos? Se tens, não te preocupes. Não cortes pêlos nenhuns, nem faças depilação.

    Só se fores ciclista ou nadador ou coisa do género, caso contrário não tires pêlos nenhuns.

    ResponderEliminar
  22. Estás a tornar-te num exímio apagador. Só te falta perceberes que é a merda que se escreve que se apaga, não o resto.

    ResponderEliminar
  23. Pêlos da cabeça, aparados.

    ResponderEliminar