domingo, 2 de outubro de 2011

Um lugar chamado amor

É assunto que tenho evitado, e por isso mesmo resolvi abordar.
Este assunto é por demais aborrecido de abordar, não porque seja assunto desprovido de interesse, bem pelo contrário, é dos assuntos mais fascinantes, e por isso mesmo já foi escalpelizado até à exaustão por poetas, escritores, pintores, musicos, por todo o género de artistas, e experenciado por tantos e vulgares mortais, que ganhou o estatuto de condição essencial para o estado de graça, para a felicidade.
No entanto nem todos temos o privilégio de o vivenciar em todo o seu explendor, tal como na vida, para uns, ele é um palácio, para outros um casebre, para uns é um lugar cheio de vida, para outros um lugar onde nada floresce.
Para mim é um lugar que já conheceu esperança, cheio de vida e projectos, mas agora tornou-se no local que aparece fotografado no header deste blog.
No dia em que mudar o header do blog, isto perderá algum sentido, como se fazer sentido fosse coisa que me assistisse.

80 comentários:

  1. Quem diria!!!

    http://pt.wikipedia.org/wiki/Amor_(Leiria)

    ResponderEliminar
  2. Sim, mas também há Cuba no Alentejo e Paris no Texas.

    ResponderEliminar
  3. E também há a Estrada da Beira e a beira da estrada.

    ResponderEliminar
  4. Perdi-me na tradução... o amor é um lugar estranho.

    ResponderEliminar
  5. E também há o foder por amor, e o amor por foder.

    ResponderEliminar
  6. Julguei que havia o foder o amor e amar o foder.

    ResponderEliminar
  7. Essa já eu sabia.
    De qualquer forma, muito agradecida pela informação.

    ResponderEliminar
  8. Não precisas agradecer, informações é aqui mesmo!

    Mais alguma coisinha que queiras saber?
    Tu não te acanhes!

    ResponderEliminar
  9. Expôe-se um gajo assim, desta forma desnudada até ao mais intimo do ser emocional, e é este tipo de comentários que te suscito?

    Nem um "deixa lá, vais ver que ainda..." ?
    Dasse, onde fui arranjar tal amiga comentadora?

    ResponderEliminar
  10. Deixa lá, vais ver que ainda... te vais sentir mais desencantado com essa little thing called love.
    Deixa lá, vais ver que ainda... a vida vai mudar, e atrás de tempos tempos vêm e tu vais encontrar o amor dos teus pesadelos, perdão, sonhos.
    Deixa lá, vais ver ainda... que o amor da tua vida está ali ao virar da esquina.

    E ficava aqui toda a noite a debitar chavões sobre o amor.

    Sei lá eu bem o que é o amor!

    ResponderEliminar
  11. Mando-te para o Camões que sempre é melhor do que o caralho, que foi para onde me mandaste há dias.


    Amor é fogo que arde sem se ver;
    É ferida que dói e não se sente;
    É um contentamento descontente;
    É dor que desatina sem doer;

    É um não querer mais que bem querer;
    É solitário andar por entre a gente;
    É nunca contentar-se de contente;
    É cuidar que se ganha em se perder;

    É querer estar preso por vontade;
    É servir a quem vence, o vencedor;
    É ter com quem nos mata lealdade.

    Mas como causar pode seu favor
    Nos corações humanos amizade,
    Se tão contrário a si é o mesmo Amor?

    Luís de Camões

    ResponderEliminar
  12. Ó Margarida, mas se formos a ver bem as coisas, existe um elo fortíssimo entre o que tu lhe mandas e prádonde ele te mandou.

    O Amor, ah o Amor, que práli prós lados do nosso Junkie anda um descolhoado, com paisagens inóspitas, desabrigadas, cores esbatidas, o grande malvado. Tanto desencanto. Pensar que isso tudo se pintava de vermelhos vivos, amarelos solarengos, verdes esperança e até as árvores se vestiam, fosse a pessoa certa suspirar naquela direcção. Amor é isso, é entregarmos a alguém as cores todas dos nossos dias.

    ResponderEliminar
  13. Entretanto o Fernando Pessoa dá estes conselhos:

    "Não se acostume com o que não o faz feliz, revolte-se quando julgar necessário.
    Alague o seu coração de esperanças, mas não deixe que ele se afogue nelas.
    Se achar que precisa voltar, volte!
    Se perceber que precisa seguir, siga!
    Se estiver tudo errado, comece novamente.
    Se estiver tudo certo, continue.
    Se sentir saudade, mate-a.
    Se perder um amor, não se perca!
    Se o achar, segure-o!"

    Fernando Pessoa

    ResponderEliminar
  14. Eu sabia que não devia ter chamado o amor à baila.

    Mas já que chamei, tenho que concordar que o amor é dos locais mais belos, e a ausência dele torna desolados os mais belos locais.

    Que sa foda, é nos locais desolados que me destaco.

    ResponderEliminar
  15. Essa boca é pra mim ó guerrilheiro Junkie?

    Eu só me socorri dos poetas porque:

    1º não sei discorrer nada de jeito sobre o assunto;
    2º se eles não souberem explicar essas coisas do amor então não sei quem saberá.

    ResponderEliminar
  16. Quais boca?

    Olha, o Pessoa, como foi um gajo muito feliz, e cheio de amores na sua vida, tanto quanto se sabe, deve ser a pessoa certa para vir dar conselhos.

    ResponderEliminar
  17. Pelo sim pelo não prefiro a opinião da Isa, pessoa bem mais conhecedora do amor que o Pessoa deve ter sido, mas assim a léguas.

    ResponderEliminar
  18. Não é preciso ser-se cheio de amores, ó patareco. Basta um, em grande.
    o Pessoa não dá conselhos, dá a sua perspectiva das coisas, caray.

    ResponderEliminar
  19. Também eu gosto mais da opinião da Isa, mas como queria picar o ponto e não sabia o que dizer, fui-me a eles.

    ResponderEliminar
  20. Patareca é a boca do corpo da senhora tua tia, dona Isa.
    Percebeu, ou quer que repita?

    O mundo está cada vez mais do avesso, até começo a ter medo de sair à rua, talvez até comece a viver aqui, tem gajas simpáticas que dão trela a um gajo, um gajo pode manda-las pó caralho e é como se tivesse apenas feito um sorriso maroto.

    Bem me disse um dia uma cigana, olhando bem no fundo dos meus olhos, "Tás fodido!"

    ResponderEliminar
  21. Mega lóle!

    Sabes ca senhora minha tia, uma delas, a minha preferida (obviamente) - uma que nunca conseguiu ter filhos e queria porque queria ficar comigo mas a minha mãe não deixou - dizia, quando ouvia as outras gajas da família na cusquice, que esta anda amantizada com fulano ou cicrano nananananna, converseta de merda, 'tão ela chegava ao recinto, mandava-as calar e proclamava: PÁS! isso também não serve pa mai nada, tejam é masé caladas! pra palheiro é muito húmido e pra lealheiro tem a boca virada pra baixo! ide é às vossas vidas e deixem lá a mulher sossegada.
    E lá ia ela toda airosa, deixando atrás de si o rasto da frustação proveniente da maledicência contrariada.

    Um charme, aquela gaja. Irmã da minha mãe, mas de certeza filha de pais diferentes. Saudades que tenho dela.

    ResponderEliminar
  22. E assim:

    "Love is a dog from hell" Charles Bukowski


    gostas mais?

    Este teve muitas gajas.

    ResponderEliminar
  23. tou só a corrigir erros, não s'incomodem comigo.

    ResponderEliminar
  24. :))

    E era mesmo, Maggie, mas mesmo.
    Um dos meus anjos da guarda, é o que é. A única que me chamava "belinha" numa família pra lá de numerosa e a voz que ouvi, como se estivesse sentadinha ao meu lado, naquele dia que fui assaltada e andei 1 hora e picos no porta malas do meu bólide.

    ResponderEliminar
  25. Olha, ainda bem que a minha grosseria te trouxe esta recordação agradável, é o que eu digo, nada acontece por acaso.

    ResponderEliminar
  26. Isa, mas tu andaste sequestrada no porta bagagem do teu pópó?

    Ca espectaculo méne, ora conta lá a cena em pormenor.

    ResponderEliminar
  27. E não é gajo? é pois. Foi com ela que aprendi que se pode asneirar, que "grosseria" não tem o mesmo significado pra todá gente e outras tantas coisas, tão fora do que normalmente define uma família "de bem".
    Lembro-me dela todos os dias.

    ResponderEliminar
  28. Ena, agora percebi o comentário que a outra fez sobre ti.

    Mas a gaja conhece-te pá!

    Ou então ela era um deles, a mandante caray...

    ResponderEliminar
  29. Encontrei!

    "Isa, mulher da minha simpatia, estranho que estranhe a ausência de choque traumático. Afinal, uma mulher perspicaz, que imagino, também em tenra idade, chocada (abalroada) numa qualquer pista de carros por um grupo de camafeus não distinga a violência de um choque. Choque ligeiro, sem lesões, nem indutivo de insónias. Está a ver a coisa?! Claro que está, sabe tão bem como eu que há choques do arco da velha, e que neste caso não será de todo o caso. "



    Ó Isa, mas tu tás a ver o mesmo que eu?

    ResponderEliminar
  30. hã? qual outra?

    não te contei lindinho?? opá, saí no jornal e tudo, caraças, já tive os meus 5mn de fama.
    tão, fui ao shopping às compras,às 10 da manhã, ia a sair do meu carro, um xodó encostou-me uma navalha ao meu alvo pescocinho e disse-me, com gentileza: chega-te pra lá! e eu cheguei, que sou bem mandada, e lá andamos em negociações por muito tempo, até que ele me pediu ( não mandou, pediu) que fosse prá mala do carro, porque queria levantar o dinheiro e tinha receio que eu fugisse ou gritasse ou assim. Ressabiei, que não gosto de sítios pequenos e escuros mas lá fui, muito contrariada e de lágrima no olhoe tudo, estava tão magoada caquilo, que de minuto a minuto, o "andré" perguntava, ó isabel, tás bem ...? e eu ia respondendo, até que resolvi não responder mais! ia matando o gajo do coração, sabes lá, apanhou cá um susto comigo, ele num berreiro Ó ISABEL! TU TÁS BEM?? e eu lá me compadeci e respondi TOU! CARALHO! mas já muito muito muito fodida caquilo tudo.
    enfim, acabou tudo em bem e ficamos amigos.
    pelo menos foi o que a policia me disse "ele não é seu amigo hã??" quendo eu lhes disse que ele não me tocou enm com um dedo, a não ser quando eu comecei a chorar e ele me quis consolar.

    ResponderEliminar
  31. isso não era um qualquer tipo de metáfora, analogia ou por aí?

    sei lá pá, às tantas conhece-me mesmo. por acaso lembro-me de estranhar essa conversa, mas não dei importância ao assunto.

    ResponderEliminar
  32. Até parece um conto de encantar, ainda vai a Disney pagar-te uma fortuna pelos direitos.

    ResponderEliminar
  33. Sei lá o que era aquilo, mas ali não acontecem muitos acasos.

    ResponderEliminar
  34. Eu tou todo abananada com a história da Isa!

    Sobre a outra conversa, isso era paleio da Alice?

    ResponderEliminar
  35. nem gosto muito de falar disto, porque normalmente não acreditam que o petiz tenha sido tão gentil. acham que estou a florear ou assim.
    Gajo, ele levou-me do cascaishoping, no meu carro - que tentei dar-lho mas ele não quis - e foi-me por outra vez ao shopping. Tou a sério.

    ResponderEliminar
  36. Era a Alice sim sanhora.

    Não era Junkie?

    ResponderEliminar
  37. Não, era conversa da RA, lembras a personagem com nome código de batraquio? pois era essa.

    ResponderEliminar
  38. A Alice é outra pá, vocês não percebem nada !

    ResponderEliminar
  39. Isa, voltaram a encontrar-se para ir ao cinema, ou assim ?

    ResponderEliminar
  40. A gaja deixou de aparecer e apagou um comentário aqui no post qualquer.

    Não percebo nada daquilo!

    ResponderEliminar
  41. Alice ou Ritalice, não eram a mesma?? sei lá ...


    Não. mas tenho pena. Tadinho do "andré", tão preocupado comigo.
    Ficou-me com os meus óculos de sol mai lindos, o sacana.

    ResponderEliminar
  42. ah, ela fez isso, se não me engano, no blog da Pipa, aqui e no meu.
    Comenta e apaga.

    ResponderEliminar
  43. Eu ultimamente julguei que Alice e RA eram a mesma pessoa.

    ResponderEliminar
  44. Não, a Alice era a anónima sem piada.

    Se queres que te diga, pelo pouco que conheço de ti, ainda lhe deves muito dinheiro pela emoção que te causou, sim, ao André.

    ResponderEliminar
  45. Também devo acrescentar, anónima sem piada, mas com bom coração, pelo menos manifestou grande interesse quando o post foi sobre os indigentes.

    ResponderEliminar
  46. pra mim são a mesma pessoa.


    devo-lhe é masé uma merda é o que lhe devo, paguei bem caro pela ida à feira popular, ora essa. e ainda ouvi da polícia!
    estupidos.

    ResponderEliminar
  47. Mas tiveste o teu momento de fama, consigo imaginar-te rodeada de netos a contar esta aventura, daqui a 4 ou 5 anos.

    ResponderEliminar
  48. Eu também acho que são a mesma pessoa e, peço desculpa aqui ao Junkie, mas nunca achei piada nenhuma.

    ResponderEliminar
  49. lá tás tu com tendências suicidas, outra vez.

    ResponderEliminar
  50. Não são nada a mesma pessoa, isso posso garantir, e como?

    Pela aura, os escritos da RA aparecem-me com uma aura, o que me faz pensar que sendo Rá uma espécie de deus dos faraós, talvez seja eu um faraó deserdao nos tempos modernos, e a RA me tenha aparecido para me lembrar do meu grandioso destino.

    Já contei de quando uma cigana ao ler-me a palma da mão, disse... "Tás tão fodido!" ?

    ResponderEliminar
  51. já caralho, cala-te lá com essa merda! olha, a mim disseram-me que eu ainda ia ser muito feliz e até à data, não se vê assim bosta nenhuma digna de reparo. tou práqui a choramingar? não né? mariquinhas pá.

    ResponderEliminar
  52. Ah bom, se tem aura então está tudo explicado.

    É que com aura é logo outra coisa.

    Eu aura não tenho, só tenho rinite alérgica e quando me atiram pó para os olhos espirro muito.

    ResponderEliminar
  53. A mim cagou-me um pombo na cabeça e disseram-me que era sinal de sorte.

    Deve ter sido o pombo errado ou então comeu alguma coisa estragada.

    ResponderEliminar
  54. Tu cala-te que tu transpiras felicidade.

    ResponderEliminar
  55. Ou melhor, vocês calem-se, e a Isa transpira felicidade

    ResponderEliminar
  56. Eu?? Are you talking to me?

    Se eu te contasse a minha vidinha até choravas baba e ranho!

    ResponderEliminar
  57. Pois é Maggie, a gaja vem com aura, mas não é de serie, trata-se de um veiculo carregado de pormenores, que se redesenha para cada novo cliente.

    ResponderEliminar
  58. Assim tá bem, felicidade comigo é correio devolvido. Até rima, vê só!

    ResponderEliminar
  59. Epá eu de carros percebo pouco.

    É por gasóleo e pouco mais.

    No outro dia queria por aquele líquido do limpa vidros e andei à rasca, já não sabia qual era o depósito da água daquela coisa!

    ResponderEliminar
  60. Pois é Maggie, então és tu e eu
    a felicidade foi pra puta que a pareu

    Também rimou!

    ResponderEliminar
  61. Maggie, contrariamente às mulheres, os carros vêem com um manual!

    ResponderEliminar
  62. Tenho lá tempo pra isso! Há coisas no carro que eu ainda não conheço bem e já o tenho há 3 anos!

    ResponderEliminar
  63. eu tenho o meu acho que há 6 e nem sequer a matrícula sei de cor.

    a gaja vem com aura, mas não é de serie, trata-se de um veiculo carregado de pormenores, que se redesenha para cada novo cliente.

    brilhante!

    patenteia isto e vende a uma agência de publicidade, gajo. depois diz que num sou tua amiga e não te ajudo, pelo menos, naquela felicidade co dinheiro pode comprar.

    agora vou-me, que isto d'andar aqui a distribuir coisas felizes dá uma canseira do caralho.
    besos a tus.
    fui.

    ResponderEliminar
  64. Eu não me lembro há quanto tempo tenho o meu, e até já fui pra cama com ele.

    ResponderEliminar
  65. Pra cama apeteceu-me ir com uns sapatos muito giros que comprei no sábado!

    ResponderEliminar
  66. Sem honestidade não há confiança e é fácil perder a cabeça comigo por querer confiar quando sinto que não devo. Com os outros, porque frequentemente me falta paciência e tolerância. Entretanto a fúria passa. Cada um é como é e já me cansa a ilusão de que posso mudar o mundo. O sonho é sempre mais atraente, não é? Mas a realidade existe e é para ser vivida, porque quero.

    ResponderEliminar
  67. Honestidade e consequente confiança, são temas muito subjectivos. Nem toda a gente reage aos mesmos estímulos da mesma maneira, nem todos se mostram, no mesmo espaço de tempo, não vivemos todos as mesmas experiências e quando encontramos alguém, não sabemos em que circustâncias a vida os tem, a essa altura. Tempo, há que dar tempo. E espaço. Há que não cobrar. Há que deixar que cada um se mostre ao seu ritmo. Isto, claro, quando a pessoa nos interessa.
    Barreiras, defesas, disfarçadas de juizos de valores, é isso que mata qualquer relação. Defendemo-nos tanto, que acabamos por matar o que ainda nem nasceu. O "sonho", está em descobrirmos a pessoa, na pessoa que queremos conhecer.

    Digo eu, que estou fartinha de levar porrada com este método, mas ainda não descobri outro mais eficaz.

    ResponderEliminar
  68. Simplifica.
    A honestidade é essencial, com todas as suas consequências.
    É muito fácil cair na tentação de julgar quando não temos nada nas mãos.

    ResponderEliminar
  69. Fiquei com a impressão de ter dito isso mesmo.

    ResponderEliminar