sábado, 12 de novembro de 2011

Mais uma página em branco

Hoje o dia tem passado como o rasgar de uma página em branco, um rasgar lento em que sinto o som de cada fibra que se separa, e o tempo vai avançando pela folha em branco, lentamente, com pequenas mudanças de velocidade, pequenas curvas, sinto-me parte dele e ao mesmo tempo seu observador.
A meio da folha o tempo parou, o vento soprava excessivamente morno na direcção do mar, grandes ondas que só as gaivotas tinham vontade de surfar, com as asas imóveis em vôo rasante a curvas paredes de água, que avançavam com seus longos cabelos brancos penteados para trás pelo vento quente, até se despedaçarem em explosões de espuma branca contra o cinzento chumbo da água.
Depois o tempo voltou a avançar, e o dia continuou a passar estranhamente môrno, em branco, rasgando-se enquanto se inutiliza, passando.

29 comentários:

  1. Este texto é belo. É um poema em prosa.

    ResponderEliminar
  2. Estou sem palavras, gajo. E sabes que não me acontece muito.

    Peg'abraço apertadinho.

    ResponderEliminar
  3. Não tens emenda, tu. Não és o único, é um facto, mas o teu caso é crítico. Não escreves, nem rasgas com raiva, és apenas um observador.
    Não sei se são as palavras ou o resto, o que é.

    ResponderEliminar
  4. Hoje o dia tem passado como uma folha de papel higiénico, usado, e lá fora o autoclismo é descarga atrás de descarga.
    Também parece poesia em prosa?
    Também me dão bracinho pertadinho?

    ResponderEliminar
  5. Se a poesia é a expressão dos sentimentos e se é isso que sentes em relação ao teu dia, porque não há-de ser também poesia?

    ResponderEliminar
  6. Se a poesia é a expressão dos sentimentos, será poesia a expressão de raiva, de inveja?
    Afinal o que é preciso para acontecer a poesia?

    ResponderEliminar
  7. Encontrar as palavras que deem forma aos sentimentos.

    ResponderEliminar
  8. Não me devo ter explicado bem, insultar alguém, sentindo nada mais do que inveja e frustração é então uma forma de poesia, preversa, mas poesia, tem palavras que dão forma aos sentimentos, e são sentidas.

    ResponderEliminar
  9. Encontrar as palavras certas. A poesia foge à linguagem comum, vive de símbolos, de imagens.

    Por isso é que dizer:
    "Gosto muito de ti" ou "Vai para o caralho" não é poesia.

    ResponderEliminar
  10. É a tal coisa de ter um não sei o quê, não é?

    Esta merda tá tudo ligado, o amor, a poesia, isto é uma conspiração contra o sossego dum gajo.

    ResponderEliminar
  11. Bocage não concordaria, e era um poeta.

    ResponderEliminar
  12. Pode não estar. Pode ser apenas um jogo de palavras, cheio de simbolismo:


    Verdade

    A porta da verdade estava aberta,
    mas só deixava passar
    meia pessoa de cada vez.

    Assim não era possível atingir toda a verdade,
    porque a meia pessoa que entrava
    só trazia o perfil de meia verdade.
    E sua segunda metade
    voltava igualmente com meio perfil.
    E os meios perfis não coincidiam.

    Arrebentaram a porta. Derrubaram a porta.
    Chegaram ao lugar luminoso
    onde a verdade esplendia seus fogos.
    Era dividida em metades
    diferentes uma da outra.

    Chegou-se a discutir qual a metade mais bela.
    Nenhuma das duas era totalmente bela.
    E carecia optar. Cada um optou conforme
    seu capricho, sua ilusão, sua miopia.

    Carlos Drummond de Andrade

    ResponderEliminar
  13. Antigamente, muito antigamente, achava que a poesia não existia sem a rima, mais tarde percebi que não, que a rima era usada em alguma poesia, mas não a caracterizava, hoje pergunto o que é afinal a poesia, se alguém a consegue definir, e não se esqueçam que a poesia não é prisioneira das palavras, ela pode existir num momento, numa imagem, num sentimento, enfim, ela existe sem fronteiras, mas o que é afinal?

    ResponderEliminar
  14. Eu não sei definir poesia e acho que a rima não tem qualquer importância,muito menos determina a qualidade do poema, é apenas uma habilidade.
    Para escrever poesia, já a Isa disse, é preciso sentir, talvez com uma intensidade fora do comum, um exagero, no bom sentido, de sensibilidade, e materializar isso nas palavras.
    Não sei, não consigo explicar.

    ResponderEliminar
  15. Como não consigo elaborar mais sobre o tema, deixo a definição dada por dois poetas:
    William Wordsworth definiu poesia como "the spontaneous overflow of powerful feelings;"
    Emily Dickinson diz assim, "If I read a book and it makes my body so cold no fire ever can warm me, I know that is poetry."

    Também encontrei esta frase, que não está identificada: "Explicar o que é poesia é como tentar apanhar o vento"

    ResponderEliminar
  16. Os poemas são pássaros que chegam
    não se sabe de onde e pousam
    no livro que lês.
    Quando fechas o livro, eles alçam vôo
    como de um alçapão.
    Eles não têm pouso
    nem porto;
    alimentam-se um instante em cada
    par de mãos e partem.
    E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
    no maravilhado espanto de saberes
    que o alimento deles já estava em ti...

    Do Quintana.

    ResponderEliminar
  17. "Poesia é o crú enfeitado"

    Edgard Montelino de Almeida

    ResponderEliminar
  18. "A poesia não é para todos"

    Anónimo

    ResponderEliminar
  19. "A poesia é uma viagem ao centro de nós próprios"

    Margarida

    ResponderEliminar
  20. "Todo o tempo é de poesia



    Desde a névoa da manhã

    à névoa do outo dia.



    Desde a quentura do ventre

    à frigidez da agonia



    Todo o tempo é de poesia



    Entre bombas que deflagram.

    Corolas que se desdobram.

    Corpos que em sangue soçobram.

    Vidas qua amar se consagram.



    Sob a cúpula sombria

    das mãos que pedem vingança.

    Sob o arco da aliança

    da celeste alegoria.



    Todo o tempo é de poesia.



    Desde a arrumação ao caos

    à confusão da harmonia."

    António Gedeão

    ResponderEliminar
  21. "Esta sanita é poesia para o meu interior"

    ResponderEliminar
  22. ahahahahahahha


    tão estúpido caté dói, caraças ...

    ResponderEliminar
  23. Junkie, um cú cheio de sensibilidade poética é logo outra coisa.

    ResponderEliminar
  24. Não falta aqui nada? O pote do arco-íris diz que sim.

    ResponderEliminar