sábado, 24 de março de 2012

Subsidio para o entendimento da mulher

E lá vai ela, com as nádegas atrás dela, e eu pergunto-me, haverá alguma intencionalidade na forma como as suas nádegas se mexem?
Sim, claro que há, conhecendo as mulheres como conheço.
Mas porque o fará, estará a tentar atrair atenção com algum intento, ou é somente a responsabilidade de ostentar as nádegas que tem?
Presumo que ser portadora de determinadas nádegas, seja uma enorme responsabilidade na vida da mulher que as tenha.
Levar aquilo sempre ali acima das pernas, abaixo das costas, é quase como um gajo ter um ferrari, e leva-lo consigo para todo o lado, escadas acima, corredor afora, aos pulinhos no ginásio, e sempre o ferrari ali a atrair os olhares, e claro, quando um gajo tem um ferrari, deve mandar uma aceleradelas de vez em quando, não é?
Qualquer gajo percebe isto!

E depois há a malta do tuning...

2 comentários:

  1. Já voltaste! Viva!
    Desde Dezembro...tantas coisas que me aconteceram entretanto. Vou-te dizer: a que mais indelevelmente marcou a minha vida foi a compra de umas botas, umas não, "as botas",que povoavam os meus sonhos mais fofinhos, por metade do preço.

    Voltaste em grande.
    A ideia do tuning é genial.Dá para visualizar logo umas leggings usadas sem túnica. Está para lá do tuning, é chuning!

    ResponderEliminar
  2. Maggie, quer-se dizer, também não há necessidade de tal entusiasmo, se bem que para quem tem como ponto alto na vida a compra de umas botas por metade do preço...

    ResponderEliminar