sábado, 7 de abril de 2012

Eu sou um gajo dado a epifanias



Ainda hoje tive uma, a percepção absoluta de como sou pequeno. Quer dizer, o conceito de epifania recorrente é algo que vai contra o próprio sentido do termo, no entanto a sensação é a mesma, e se a sensação é a mesma, se sabe a epifania, então epifania seja.
E é assim, de vez em quando lá me surge uma, e é admirável, mesmo sendo um deja vu.
Tantas vezes já me surgiu a resposta às minhas inquietações, e continuo a fazer pequenas descobertas sobre mim, sobre a natureza humana, coisas que já tinha descoberto, e me surgem novamente como se as descobrisse pela primeira vez.
Talvez seja mesmo assim, a rotina, a abençoada rotina acaba por me adormecer, e então posso ter o privilégio de ter alguns momentos em que acordo, e vejo como se visse pela primeira vez.
Claro que isto é a estupidificação, uma espécie de mumificação em vida.
Mas fazer o quê quando, deixar andar, parece ser o sentido a dar à vida, de que sou capaz.

10 comentários:

  1. Essa revelação desenrola-se perante mim todos os dias: sou pequeníssima, insignificante, irrelevante, se desaparecer o mundo fica igual, igualzinho. Mas isso faz-me sentir bem, põe-me em perspectiva, o que é muito saudável.

    ResponderEliminar
  2. Já o Gulliver não podia ter esse sentimento tão aconchegante.

    Que é para já não falar da dificuldade em arranjar parceira sexual, sim, porque nós os pequeninos, misturamo-nos todos na nossa insignificância, e é um tal fornicar, uns coelhos, é o que somos.

    ResponderEliminar
  3. As palavras "coelho" e "fornicar" na mesma frase, hoje é dia, remetem-nos logo para a nossa dura realidade.


    Mas sim, essa mistura toda traz-nos muitas vantagens, a do fornicanço e não só. Quanto mais nos misturamos mais refinamos as nossas qualidades.

    ResponderEliminar
  4. Já viste o filme "Habemus Papam" do Nanni Moretti?

    Se não viste, tenta ver. Aposto que vais gostar.

    ResponderEliminar
  5. Faltou-me acrescentar que acho que a minha mãe conhece uma sra que se chama Epifania.

    ResponderEliminar
  6. Nanni Moretti?
    Maggie minha querida, a unica coisa de que percebo é de futebol. De cinema gosto, mas não percebo.
    Talvez veja esse filme um dia por acaso, e aposto que daqui a 10 segundos já nem me lembro que existe outro Nani para além do jogador de futebol.

    Dava-me jeito arranjar uma mulher como tu para cuidar de mim.

    ResponderEliminar
  7. O filme é giro. Imagina um papa que tem medo de ser papa e tem de recorrer a um psicanalista.

    ResponderEliminar
  8. Epá, estou com um melão desgraçado. Não costumo ver os jogos porque fico nervosa e porque tenho medo de dar azar ( podes rir). Ontem também não vi e correu mal.
    Nem quero acreditar!

    ResponderEliminar
  9. Um papa que tem medo de ser papa e recorre a um psicanalista.... o actor deve ser um gajo de cabelos demasiado brancos para a idade aparente, e que estraga qualquer filme com pretensões a ter piada.

    Já o futebol pá, foda-SE!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O actor tem a idade adequada ao personagem.

      Alguns diálogos são cómicos mas trata de um drama pessoal + crítica ao Vaticano.

      Eliminar