quarta-feira, 16 de maio de 2012

Pois era

Pois é, dizer que só não valia tirar olhos é uma metáfora, na verdade eram imensas as coisas proibidas, mas ali onde o anonimato prevalecia, revelava-se o meu lado merdoso.  
Merdoso porque ia para além das minhas atitudes do dia a dia, e um gajo deve ser sempre tal e qual, no entanto o anonimato a modos que liberta as almas cobardes, ou excita o espirito, não sei.
É verdade, cheguei a chorar de riso.

O charco, foda-se, as coisas que por lá escrevi, puta que pariu!

20 comentários:

  1. Sou tão bruta, mas a culpa não é minha.
    A vida ensinou-me que não posso ser eu própria na parte do sorridente e doce e afins para tipos que me possam de alguma forma - seja ela qual for - f... a vida.

    ResponderEliminar
  2. O ambiente dos chats era mais ao nível de "Cuckoo's Nest" e provavelmente ainda se mantém assim.

    Sobre o charco também esvoaçam borboletas e libelinhas. Nem tudo é viscoso, esverdeado e mal-cheiroso.

    ResponderEliminar
  3. Obrigado anónimo por partilhares esse momento, e mais não digo.

    ResponderEliminar
  4. Ainda há chats Maggie?
    E tens razão, naquele charco não eram só batráquios, havia um autentico jardim zoológico .

    ResponderEliminar
  5. Acho que os chats estão já fora de moda. Mesmo os adolescentes penso que já não ligam muito. Já não dá pica.

    ResponderEliminar
  6. Escrevi uma palete de "jás" em três frase tão curtas; foda-se tou mesmo tosca!

    ResponderEliminar
  7. As mulheres querem-se toscas e boas, principalmente boas.

    ResponderEliminar
  8. Já reparaste que a EU também parece uma espécie de charco, um Everglades e em que a Merkl é u crocodilo que nos vai fazendo a vida negra,a nós, restantes bicharocos?

    ResponderEliminar
  9. http://www.gadgetreview.com/wp-content/uploads/2012/05/Holiday-Inn-Shanghai-Pudong-Kangqiao-Cantilever-Swimming-Pool.jpg

    Olha o que eu descobri: nadar e voar ao mesmo tempo

    ResponderEliminar
  10. A Merkl parece mais um hipopótamo, com um ar inofensivo, mas o animal mais perigoso do charco.
    Eu era a libelinha e ponto final, libelinha macho!

    ResponderEliminar
  11. Se soubesses o quão ridícula me sinto por ao fim de tanto tempo ainda continuar a participar neste circo.

    ResponderEliminar
  12. Quando parecia que não poderias surpreender mais, eis que te superas.
    Ora diz lá que figura de circo és tu, que anónima não é concerteza.

    ResponderEliminar
  13. Se for possível escolher, gostava de ser a assistente do ilusionista para entrar naquele truque em que se é "cortada" ao meio dentro de uma caixa.
    Caso esse lugar já esteja preenchido não me importo de ser uma das cadelinhas amestradas, que dançam e saltam por dentro de arcos e têm o pêlo enfeitado com laçarotes.

    ResponderEliminar
  14. Maggie, podes ser o que quiseres, se bem que essa coisa de quereres ser cortada ao meio tem que se lhe diga. Segundo um livro de interpretação de sonhos que li em tempos, isso poderia querer dizer que gostarias de te repartir entre vários parceiros sexuais.

    ResponderEliminar
  15. Nesse particular não vou em divisões e multiplicar-me… nem vale a pena falar.
    Limito-me a adições de duas parcelas (tanto quanto o meu discernimento abarca, já que nas coisas do sexo há variáveis completamente incontroláveis…).
    Se a prova dos nove dá erro, subtraio-me sem grande alarido e, em privado, curto o meu fim do mundo, que pode ir desde a frustração por não ter dado conta mais cedo que aquela operação aritmética não fazia sentido, até à tradicional dor de corno. A rotina habitual.

    ResponderEliminar
  16. Pois fazes tu muito bem.
    Já eu só não mantenho relações com varias mulheres simultaneamente porque.... Não sei porquê, mas vontade não me faltava.

    ResponderEliminar
  17. Já sei porquê, porque com as relações vêm as ralações.

    ResponderEliminar
  18. Ah, pois, nem duvides...mais com umas que com outras, a vida muda um bocado. Mas é bom.

    ResponderEliminar
  19. Com essa do é bom, fizeste-me lembrar algo que o meu pai contava.

    Dantes, quando havia a verdadeira pobreza, um miúdo pobre chegou a casa e disse
    - aí mãe que pão com queijo é tão bom
    - aí meu filho da puta, onde comeste pão com queijo?
    - não comi, vi comer.

    ResponderEliminar