segunda-feira, 28 de maio de 2012

Quem sou eu, onde estou e o que faço aqui?

Ainda hoje tenho duvidas de que não seja eu especial, e tudo o resto cenário.

35 comentários:

  1. Se o mundo é um palco, não admira que grande parte dele seja cenário.

    É bom que te sintas especial, é sinal que estás a cumprir bem o papel que te foi distribuído.

    ResponderEliminar
  2. 27% das crianças portuguesas também podem fazer as mesmas perguntas.
    http://www.publico.pt/Sociedade/mais-de-27-das-criancas-portuguesas-sao-carenciadas-segundo-unicef-1548001

    ResponderEliminar
  3. Agora, de repente, senti-me um Silva Carvalho a mandar clippings. Fiz de ti um Relvas.
    Peço perdão,não há direito de fazer de quem quer que seja um Relvas.

    ResponderEliminar
  4. Mas se assim for, qual é o teu papel? Uma entidade que encontra sentido sublime em toda a porcaria que vou espalhando por aqui? E com que intenção? Todos sabemos que um almoço nunca é de graça. Que papel estará reservado para ti?

    Será que mete sexo?

    Ai, esta espera deixa-me ansioso, por mim saltava já os preliminares, e ia imediatamente ao fundo da questão, mas não, tudo tem que passar por todas as etapas, que maçada.

    ResponderEliminar
  5. Também tenho o meu papel no teatro da vida mas a minha peça e consequentemente o cenário são diferentes.
    Não há sexo, não :). Apenas o teu post fez-me lembrar isto:

    "All the world's a stage,
    And all the men and women merely players:
    They have their exits and their entrances;
    And one man in his time plays many parts,
    His acts being seven ages. At first the infant,
    Mewling and puking in the nurse's arms.
    And then the whining school-boy, with his satchel
    And shining morning face, creeping like snail
    Unwillingly to school. And then the lover,
    Sighing like furnace, with a woeful ballad
    Made to his mistress' eyebrow. Then a soldier,
    Full of strange oaths and bearded like the pard,
    Jealous in honour, sudden and quick in quarrel,
    Seeking the bubble reputation
    Even in the cannon's mouth. And then the justice,
    In fair round belly with good capon lined,
    With eyes severe and beard of formal cut,
    Full of wise saws and modern instances;
    And so he plays his part. The sixth age shifts
    Into the lean and slipper'd pantaloon,
    With spectacles on nose and pouch on side,
    His youthful hose, well saved, a world too wide
    For his shrunk shank; and his big manly voice,
    Turning again toward childish treble, pipes
    And whistles in his sound. Last scene of all,
    That ends this strange eventful history,
    Is second childishness and mere oblivion,
    Sans teeth, sans eyes, sans taste, sans everything." WS

    E é assim que a história acaba.
    Por que raio havia eu de ter uma intenção? Se isto é um almoço então é mesmo à borla.

    ResponderEliminar
  6. Curiosamente as citações que fazes são invariavelmente em inglês. Não desmerecendo os escritores, poetas, pensadores que se expressam em inglês, também os há portugueses. Não os achas merecedores de serem citados? Ou é por desconhecimento?

    ResponderEliminar
  7. É por ignorância pura e dura. Esta ideia de o mundo ser um palco não conheço quem mais o tenha referido. Haverá certamente, mas não conheço. Depois este gajo escreveu tanto e foi tão certeiro no conhecimento da humanidade que ocorre sempre que dela se fale.

    ResponderEliminar
  8. Tenho muitas, muitíssimas lacunas nos meus conhecimentos de literatura portuguesa e não só. Não gosto muito de arriscar e sair da área daqueles autores que mais gosto. A leitura é, primeiro que tudo, um prazer.

    ResponderEliminar
  9. Andas a ler-me o pensamento?

    - Anónima, no circo, a passear o Pantufa?
    Espera, se calhar essa é a Anita.
    Ainda desenvolvo algum transtorno de personalidade...

    O melhor é voltarmos à conversa do sexo, já que falaste em preliminares. Por vezes mais vale ir imediatamente ao fundo da questão, antes que alguém se perca ou adormeça.

    ResponderEliminar
  10. :) William Shakespeare.

    ResponderEliminar
  11. Ou não estarias a falar de sexo?

    ResponderEliminar
  12. E tu, suponho que sejas um Narciso, a fazer do "cenário" um espelho.

    ResponderEliminar
  13. Tás fodido Junkie! Uma Margarida chata e um Anónimo que é Anónima...

    ResponderEliminar
  14. Nem de propósito, liguei a tv e está a dar "Truman show, a vida em direto".

    ResponderEliminar
  15. É giro esse filme.

    Ultimamente vi dois filmes do caraças: "Temos de falar sobre Kevin" e "Procurem abrigo".

    ResponderEliminar
  16. Pois, esses não sei, mas este tem tudo a ver com o post.

    ResponderEliminar
  17. Pois tem.

    O primeiro aborda a relação e a ligação mãe/filho e o que é afinal o amor maternal; o segundo, uma metáfora sobre a linha ténue que separa a sanidade da insanidade deste mundo, da vida, os nossos medos, patológicos ou não.

    Foi assim que os vi. Gostei muito.

    ResponderEliminar
  18. Supondo que o anónimo se dirija a mim, afianço aqui que dou sempre a todos a atenção merecida.

    Arranja um nick pá.
    Mas arranja um que seja credível, se precisares de ajuda, avisa.

    ResponderEliminar
  19. Deve ser interessante esse que aborda a linha ténue que separa o são do insane.

    Acho que tenho uma predilecção por esse tema.

    ResponderEliminar
  20. É um tema muito interessante, e a vida se calhar não é mais que essa tensão constante entre sanidade e insanidade.

    ResponderEliminar
  21. O WS ali de cima disse que a vida é um história contada por um louco,cheia de som e de fúria e sem nenhum significado.

    ResponderEliminar
  22. Se a Anónima está interessada em usar um nick, deixo uma sugestão: Ariadne. É bonito, para além de ser uma referência com muito significado.

    ResponderEliminar
  23. Essa nome não me diz nada.

    ResponderEliminar
  24. Alguém chapou aqui com um comentário anónimo só para me dar trabalho. Pronto, eu preferia a versão "vai às compras", mas em época de contenção orçamental não se alimentam vícios.

    Ariadne?! Eu lá tenho cara de deusa abandonada?

    Se contnuas a ignorar os meus comentários, a Anita volta para casa.

    ResponderEliminar
  25. Anita vai ao circo está muito bem.

    ResponderEliminar
  26. Anita vai ao circo, muito bem, assim seja.

    Não era o José Cid. que cantava uma música onde entrava uma Anita? Acho que sim, mas também não interessa, certamente são Anitas diferentes, algo me diz que a nossa Anita é bem mais bonita.

    ResponderEliminar
  27. Não estragues as minhas memórias da Anita com esse pindérico do José Cid.
    Estamos muito sérios hoje. No circo não se fala de assuntos tristes desse nível de tristeza, tá?

    (um dia destes levo-te a esmagar vermes, ainda não sei bem como chegar a esses todos, são demasiados)

    ResponderEliminar
  28. Quantas horas irá durar este momento de "paz e amor"?

    ResponderEliminar
  29. O mundo seria bem mais cor-de-rosa se tu me (satis)fizesses as vontades todas... sabes disso, não sabes?

    ResponderEliminar
  30. e não te estou a fazer nenhuma proposta de índole sexual, embora possa, mas não estou

    ResponderEliminar
  31. Claro que sim, era tudo maravilhoso.
    Até as estrelas brilhavam mais.

    ResponderEliminar
  32. e a lua e os olhos das pessoas todas. Então o que falta?

    ResponderEliminar